Aliando produtividade e lucro, PSLM Agropecuária S/A mostrou excelentes resultados em 2016

Aliando produtividade e lucro, PSLM Agropecuária S/A mostrou excelentes resultados

10/08/2017 | Autor: Luis Otavio Affonso Bosque - Coordenador Técnico Regional de Confinamento e João Paulo Franco da Silveira - Supervisor de Vendas da DSM

Em 1976, o Grupo Ometto, em uma atitude ousada e empreendedora, deu início ao projeto Agropecuária do Cachimbo S/A, focado na Pecuária de Corte de Ciclo Completo na região de Matupá (MT). Em 2003, por meio de uma fusão, o grupo criou a PSLM Agropecuária S/A, que passou ser gerida por Fernando Ometto Zancaner com o auxílio de Virgínio Pazelli Ometto.

Já no ano de sua criação, a PSLM Agropecuária S/A estabeleceu parcerias no modelo de arrendamento para o plantio de arroz, com o objetivo de reformar as áreas de pastagens degradadas, bem como criar rotinas para a reforma e a manutenção de pastagem. Em 2004, o grupo inseriu à rotina da propriedade a Inseminação Artificial e investiu em touros provados para repasse das matrizes, para acelerar o melhoramento genético do rebanho.

Em 2008, com a chegada de Bento Gonzaga, da quarta geração da família, iniciou-se um período de transição na gestão da PSLM Agropecuária S/A e, junto com a nova gestão, vieram a IATF (Inseminação Artificial em Tempo Fixo), a utilização de sêmen de Aberdeen Angus, a estratégia de uma estação de meio de ano (meia estação), a introdução do PAINT – Programa de Melhoramento Genético para Bovinos de Corte, os animais com CEIP (Certificado Especial de Identificação e Produtividade) expedido pelo Ministério da Agricultura, a IATF em fêmeas F1 Angus com sêmen de Braford, o cultivo de soja em áreas de pastagem e a utilização da I.L.P. (Integração Lavoura e Pecuária). “Falar da PSLM Agropecuária S/A é remeter-se aos modelos de trabalho adotados pela empresa, na qual sempre se buscou o bem-estar social e animal, o melhoramento genético e maiores índice de produtividade, de forma sustentável e responsável”, resume Bento Gonzaga. 

A parceria entre a PSLM Agropecuária S/A e a DSM teve início em 2010, com a suplementação de parte das matrizes da fazenda. Atualmente, a propriedade tem um planejamento nutricional completo, que vai desde os bezerros em creep-feeding até a terminação em confinamento, e o trabalho tem como foco principal a busca constante do aumento de produtividade com viabilidade econômica.

Tour de Confinamento

Pela primeira vez em sua história, a PSLM Agropecuária S/A abriu, em agosto de 2016, as suas porteiras para receber uma etapa do Tour de Confinamento da DSM. O evento foi um sucesso, reunindo mais de 280 produtores e técnicos ligados à pecuária de diferentes lugares do Mato Grosso, responsáveis por mais de 500 mil animais no estado.

O projeto tem como principal objetivo mostrar e difundir o uso das novas tecnologias que estão sendo usadas no campo em nutrição de ruminantes. Os resultados obtidos dentro da fazenda foram incríveis, superando todas as expectativas. “A atividade foi muito satisfatória no que diz respeito ao desenvolvimento animal, ao ganho e, principalmente, à lucratividade”, conta Bento Gonzaga.

E, no fechamento nacional das etapas do tour 2016, realizado pela DSM em parceria com o Centro de Estudos Avançado em Economia Aplicada - CEPEA/USP, a PSLM Agropecuária S/A destacou-se na primeira colocação do ranking nos quesitos de desempenho animal (índices zootécnicos) e rentabilidade do sistema.

Em um ano desafiador como 2016, com preços de insumos muito acima da média histórica nacional, obteve-se um custo da @ produzida na faixa de R$ 94,00/@ e um lucro líquido por animal dentro do sistema de R$ 350,00/cab. Outro ponto importante, além do custo da @ produzida, foi o número de @ produzidas no período, chegando a 8,2@ em 95 dias de confinamento, média de 1 @ a cada 11, 6 dias (Tabela 1).

Outro ponto que chamou a atenção foi o GMD de carcaça, com números que superam até mesmo o Ganho Médio Diário (GMD) normal em algumas plantas de confinamento. Esse dado zootécnico é de suma importância para o pecuarista ter em mente, pois, através dele, é possível saber se o animal ganhou carcaça (carne) ou somente peso corporal, perdendo eficiência nos ganhos em vísceras, por exemplo. Como o pagamento do animal é feito pelo seu Rendimento de Carcaça (RC), nada mais justo do que trabalhar esse índice em busca de maior rentabilidade e eficiência no confinamento.

Esse índice (média geral) foi obtido da seguinte forma:

1. Peso de Entrada em @ (50% de RC) = 12,69@;

2. Peso de Saída em @, considerando o RC (55,07%) = 20,89 @;

3. Número de dias médio no Confinamento = 94,1 ;

4. Número de @s produzidas no período = 8,2@;

5. @s produzidas no período x kg da @ = 8,2 x 15 = 123 kg de carne;

6. Produção de carcaça / Dias de confinamento = 123 / 94,1 = 1,307kg/dia.

Considerando-se uma @ no preço médio de R$ 135,50, esse animal lucrou R$ 11,80/dia.

Outra avaliação interessante foi o fator genético dos animais quanto ao desempenho. Os animais ½ Sangue Angus x Nelore consumiram 18% a mais de MS em comparação aos animais da raça Nelore e 5% a mais comparado ao seu peso corporal (CMS em % do PV), sendo que o ½ sangue consumiu 2,54% do PV e o Nelore, 2,42% do PV. Por outro lado, o GMD do ½ Sangue foi 41% maior em relação ao Nelore e o GMD de carcaça foi 35% maior, rendendo a esse animal 55% a mais de lucro líquido no confinamento.

A propriedade trabalhou com o preço médio do milho na faixa de R$ 25,00/saco, pois havia em estoque milho do ano anterior, o que correspondeu a 60% do montante. E, também, com o farelo de soja e silagem de grão úmido de milho. O manejo do confinamento foi conduzido através de planilhas de controle de fornecimento, leituras diárias de cocho e descarga programada por curral.

Foram utilizadas três dietas no decorrer do confinamento, sendo uma dieta de adaptação (14 dias), uma dieta intermediária (30 dias) e a dieta final até o abate dos animais. Os ingredientes utilizados foram: milho moído grosso (2,2 mm de partícula), farelo de soja, silagem de grão úmido de milho, silagem de milho e Fosbovi Confinamento CRINA® RumiStar™ N. Acompanhe, na Tabela 2, a dieta média final e os valores: 

Esse resultado de significativa importância deve ser abordado de forma ampla. Os ingredientes usados na confecção da dieta (além das matérias-primas de excelente qualidade, foi utilizado o que há de melhor no quesito núcleo vitamínicomineral para bovinos de corte, com adição de Minerais Tortuga, enzima alfa-amilase, óleos essenciais e conceito OVN, entre outros), o manejo diário do confinamento foi conduzido corretamente, a excelente genética dos animais, tudo isso colaborou para chegar a esse excelente resultado.

O trabalho da DSM dentro da PSLM Agropecuária, na forma de parceria, é sempre em busca da melhor rentabilidade ao cliente, gerando maior riqueza através do comprometimento de toda a equipe envolvida. Como disse Bento Gonzaga, “a busca por maior produtividade é constante dentro da PSLM. Porém, ter sempre os pés no chão e não trocar os pés pelas mãos tem sido uma atitude que tem dado certo dentro do sistema produtivo”. Planejamento e gestão eficientes são a chave do negócio.

Nós, da DSM, agradecemos a oportunidade por mais um ano de parceria com a PSLM Agropecuária S/A. Obrigado a toda a equipe da fazenda, pois, sem eles, nada disso seria possível. A busca constante de melhorias nos fortalece e traz a convicção de que, neste ano, faremos o mesmo trabalho com excelência entre nossas empresas.

This site uses cookies to store information on your computer.

Saiba mais