Tortuga

As diferenças do confinamento no Brasil e no mundo 

As diferenças do confinamento no Brasil e no mundo 

08/02/2019 | Autor: Marcos Sampaio Baruselli - Gerente de Categoria Confinamento DSM

Ao longo da última década, o confinamento no País cresceu a uma taxa média de 6%, atingindo cinco milhões de bovinos neste ano, de acordo com o Serviço de Informações de Mercado – SIM/2018, da DSM. Outro sistema de produção que cresceu de forma expressiva foi o semiconfinamento, que consiste em fornecer ração concentrada aos animais nas próprias pastagens, ao invés de direcioná-los às baias de confinamento.

Estima-se que outros cinco milhões de animais sejam semiconfinados por ano no Brasil. Logo, podemos dizer que ambos os sistemas, confinamento e semiconfinamento, já representam mais de 10 milhões de bovinos, que correspondem a aproximadamente ¼ do total de bovinos abatidos por ano no Brasil.

A adoção dos sistemas intensivos de produção tem possibilitado incrementos consideráveis na produtividade das propriedades rurais, hoje, da ordem de 3 a 4 arrobas por hectare ao ano. Com o confinamento, é possível produzir de 6 a 8 arrobas por um período de 90 dias, e, ainda, obter bois de melhor qualidade, de ciclo curto, com maior peso de carcaça. E o mais importante: de forma sustentável, seja do ponto de vista ambiental, social ou econômico.

A diferença da eficiência de produção de carne entre o Brasil e os Estados Unidos está ilustrada no quadro 1.

Cadastre-se para receber os novos posts!

Veja outras matérias do blog!

Cadastre seu email aqui para receber os próximos posts!

This site uses cookies to store information on your computer.

Saiba mais