Notícias

Resultados do Tour DSM de Confinamento mostram rentabilidade recorde em 2019

Ganho médio de 1 arroba a mais por bovino confinado e rentabilidade de 4,31% ao mês (12,93% nos três meses de confinamento) registradas pela DSM e pelo Cepea/USP provam que investir em tecnologia na dieta dos bovinos traz resultados.

Fevereiro, 2020 – A DSM, detentora da marca Tortuga® (Link) de suplementos nutricionais para bovinos, equídeos e pequenos ruminantes, e o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade São Paulo (Cepea/Esalq-USP), anunciam os resultados da quinta edição do Tour DSM de Confinamento. Em cinco etapas realizadas no segundo semestre de 2019 nos estados de São Paulo, Goiás, Rondônia e Mato Grosso do Sul, os especialistas da área de Ruminantes Brasil da DSM avaliaram o desempenho zootécnico dos bovinos confinados tratados com os suplementos da linha Fosbovi® Confinamento com CRINA® e RumiStar™, aditivos com tecnologia exclusiva da empresa. Da parte do Cepea, a equipe avaliou os resultados econômicos desses confinamentos, principalmente os fatores ligados à rentabilidade dos produtores, considerando todas as variáveis, desde o custo da terra, do boi magro, da dieta até a receita decorrente da produção de bovinos mais pesados e com melhor acabamento.

Dos resultados dessa edição, o zootecnista Marcos Baruselli, gerente de categoria Confinamento da DSM, chama a atenção o fornecimento de dietas ricas em milho, com alto teor de concentrado e baixo volumoso, confirmando o resultado médio de uma arroba a mais por bovino confinado, e o alto índice de rentabilidade registrado pela equipe do Cepea: retorno sobre os investimentos (ROI) de 4,31% ao mês e de 12,93% para o período de três meses do confinamento (5,2% a mais que em 2018). “A rentabilidade registrada nessa edição é muito positiva e comprova os resultados dos investimentos em termos de tecnologia”, pontua Baruselli, informando ainda que o Tour DSM de Confinamento chegou ao final de 2019 com avaliação de mais de 125 mil bovinos em 40 etapas em dez estados, com mais de 5 mil pecuaristas participantes, sempre com resultados positivos em termos zootécnicos e econômicos.

E os resultados do confinamento devem ser ainda melhores em 2020. O pesquisador do Cepea, Thiago Bernardino de Caralho, trabalha com a projeção de a rentabilidade desse sistema produtivo chegar a 6,12% ao mês, com ROI de 18,36% para os três meses de confinamento. Para isso, ele destaca principalmente a alta da arroba do boi aliada à demanda expandida decorrente da crise sanitária na China, cujo rebanho suíno (que representa a proteína animal mais consumida pela população chinesa) tem contabilizado perdas significativas pelo surto de Peste Suína Africana (PSA).

Sobre a alta do preço da arroba, destaque para a escalada recorde registrada a partir de outubro de 2019 e com a alto valor mantido no início desse ano. Nesse tempo, especialistas do mercado têm projetado que, mesmo com um possível reequilíbrio do valor da arroba, a perspectiva é que esse indicador se mantenha em alta e não retorne aos patamares do primeiro semestre do ano passado. “Com o custo para produzir uma arroba no confinamento variando entre R$ 120,00 e R$ 130,00 ano passado, o preço pago ao produtor nos mercados atual e futuro gera uma margem bastante atraente para a atividade”, comenta Baruselli.

Diante desse cenário, inclusive, Baruselli espera aumento do número de bovinos confinados no Brasil em 2020, podendo chegar a 6 milhões de animais, uma forte alta frente aos 5,26 milhões registrados no Censo de Confinamento DSM em 2019, estruturado pelo Serviço de Informação de Mercado (SIM), da empresa, junto a mais de 3 mil pecuaristas. “O nosso levantamento do confinamento no Brasil comprova que o produtor está cada vez mais atento para a produtividade e à rentabilidade”, conta  o especialista da DSM, em sintonia com o pesquisador do Cepea: “Os números de 2019 mostram que o confinamento chegou mais cedo aos 5 milhões de bovinos, pois projetávamos chegar nesse rebanho em 2020. E, somado aos produtores que optam pelo semiconfinamento, que é o fornecimento de ração no pasto, estimamos que o nosso rebanho tenha mais de 13 milhões de bovinos tratados com uma dieta mais eficiente, o que ajuda a tornar a pecuária cada vez mais produtiva, competitiva e mais rentável”, comenta Carvalho.

 

Tecnologias da DSM geram 1@ a mais no confinamento

Entre os resultados zootécnicos oriundos da aplicação das tecnologias da DSM registrados nessa edição do Tour, destaque para o ganho de peso elevado e outros benefícios que se estendem por toda a cadeia produtiva da carne bovina, desde a melhora da saúde dos animais até a melhora da qualidade da carne que chega à mesa dos consumidores, com maior concentração de minerais e vitaminas, a exemplo das vitaminas do complexo B e da Vitamina E, que preserva a carne e aumenta o seu tempo de prateleira no varejo.

Sobre o índice de ganho de peso, os resultados aferidos em campo comprovaram o ganho superior em uma arroba a mais por bovino, em média, a partir da dieta com o fornecimento dos suplementos da linha Fosbovi® Confinamento com CRINA® e RumiStar™, o que equivale a um animal a mais a cada 18 bovinos confinados. Mas, adicionalmente a esses benefícios, outros diferenciais dos produtos são: maior eficiência alimentar; redução das taxas de problemas gastrointestinais (como diarreias ou timpanismo); rápida adaptação dos bovinos; menor taxa e refugo no cocho; aumento do consumo de ração desde os primeiros dias de confinamento; eficiência na digestão; e menor incidência de animais com laminites e acidose. “São benefícios que partem da produção e se estendem pela indústria frigorífica e chegam até os consumidores”, reforça o especialista da DSM.

Sobre a linha de confinamento da marca Tortuga®, vale contar que essas tecnologias exclusivas da DSM foram desenvolvidas a partir de novos conceitos em nutrição mineral e vitamínica e funcionam como uma associação equilibrada de macro e microminerais, incluindo o cromo orgânico, vitaminas lipossolúveis e hidrossolúveis (biotina) e aditivos naturais, como leveduras vivas (CRINA® e RumiStar™), aliados aos Minerais Tortuga. No caso do aditivo CRINA®, trata-se de um ingrediente indicado para substituir o uso de antibióticos e ionóforos na ração, com vantagens na produtividade, sem prazo de carência e sem deixar resíduo na carne, além de não possuir restrições no comércio mundial de carne bovina. O uso do RumiStar™ (enzima alfa amilase pura), por sua vez, proporciona uma melhor ambiência ruminal e reduz a excreção de amido nas fezes, proporcionando melhor eficiência alimentar e redução do custo de produção da arroba produzida no confinamento.

 

Mais Arroba, o aplicativo da DSM e do Cepea que simula o confinamento

Lançado em setembro de 2019, o aplicativo Mais Arroba é uma ferramenta completa de simulação para todos os fatores zootécnicos e econômicos / financeiros que influenciam os resultados do confinamento. A partir de dados inseridos pelos produtores, é possível simular os ganhos produtivos dos animais, os custos fixos e variáveis do confinamento (boi magro, dieta, sanidade etc.), a rentabilidade e a taxa de retorno mensal (em Reais), entre outros fatores.

O aplicativo também inova ao fornecer aos usuários uma série de indicadores financeiros monitorados pelo Cepea, como o preço da arroba por região e os custos médios (abrangência nacional e para as cinco regiões do Brasil) que incidem nesse sistema produtivo, além dos resultados de todas as etapas do Tour DSM de Confinamento. Com esses números de referência, o produtor consegue, inclusive, comparar os seus custos com a média nacional e verificar o seu nível de eficiência do ponto de vista de gestão do negócio.

Desde o seu lançamento, o aplicativo já conta com mais de 2 mil usuários, com destaque para os produtores dos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e São Paulo.

 

Sustentabilidade: produzir mais com menos recursos naturais

A sustentabilidade nos seus âmbitos ambiental, social e econômico também é um dos diferenciais do sistema de terminação de bovinos em confinamento. Nesse ambiente, Baruselli chama a atenção para o efeito “poupa-terra”, dado que o sistema torna possível a terminação do bovino em apenas 90 dias, com um desempenho que ele levaria, em média, um ano no pasto. “No confinamento, o produtor consegue liberar terra para agricultura, pastagem ou para a preservação”, ressalta o especialista.

No histórico do Tour DSM de Confinamento, é importante citar que todas as 40 instalações das etapas se enquadram no conceito de sustentabilidade (ambiental, econômica e social) e adotam práticas zootécnicas que respeitam o bem-estar animal, o trabalhador rural e os consumidores de carne e derivados. “Os confinamentos do Tour são representativos da pecuária brasileira, que produz carne vermelha de alta qualidade, livre de antibióticos e de forma sustentável, capaz de atender aos mais exigentes mercados consumidores no Brasil e no exterior”, reforça Baruselli.

Sobre a DSM, vale citar também que a sustentabilidade é um dos principais valores da companhia em todo o mundo e que o cuidado com a qualidade de vida das pessoas e do planeta é levado em consideração em todas as suas atividades e na condução do processo de desenvolvimento das tecnologias que dispõe ao mercado.

DSM – Bright Science. Brighter Living.™ 

A Royal DSM é uma empresa global de ciências, "purpose-led" e atuante em Nutrição, Saúde e Vida Sustentável. O objetivo da DSM é criar vidas mais brilhantes para todos. A DSM está impulsionando a prosperidade econômica, o progresso ambiental e os avanços sociais para criar valor sustentável para todas as partes interessadas; clientes, funcionários, acionistas e sociedade em geral. A DSM fornece soluções inovadoras de negócios para nutrição humana, nutrição animal, cuidados pessoais e aroma, dispositivos médicos, produtos e aplicações verdes e novas formas de mobilidade e conectividade. A DSM e suas empresas associadas têm receita líquida anual de cerca de € 10 bilhões com aproximadamente 23.000 funcionários. A empresa foi fundada em 1902 e está registrada na Euronext Amsterdam. Mais informações estão disponíveis em www.dsm.com/latam.

Ou encontre-nos em: Facebook / Twitter / Instagram / LinkedIn / Youtube

 

Sobre a Tortuga®, uma marca DSM

Desde abril de 2013, Tortuga® passou a ser marca da DSM. A DSM comercializa a linha de produtos Tortuga® no Brasil e em 17 países da América Latina, com a exclusiva tecnologia dos Minerais Tortuga, atendendo às exigências de empresários rurais que trabalham na pecuária. Desde sua origem a marca Tortuga® tem contribuído decisivamente para o progresso da produção animal do Brasil, tendo introduzido, de forma pioneira, novos conceitos de suplementação nutricional e vitamínica e outras tecnologias indispensáveis para o aumento da produtividade. Com a aquisição da Tortuga, a DSM passou a ser a maior indústria de suplementos nutricionais para animais no Brasil. Mais informações em www.tortuga.com.br.

Ou encontre-nos em:  Facebook / Instagram / YouTube

 

Informações para Imprensa:

Ideal H+K Strategies – www.idealhks.com

Filipe Bachiega: (11) 4873-7629 / 9.8630-6718 – filipe.bachiega@idealhks.com

Rodrigo Fonseca: (11) 4873-7621 / 9.4846-5003 – rodrigo.fonseca@idealhks.com