Campylobacter

Espécies selecionadas

Sobre a Campylobacter

Campylobacter é uma bactéria gram-negativa que está presente no trato gastrointestinal das aves e é conhecida por afetar os humanos.

Figura 1: Tendência de casos humanos confirmados de campylobacteriosis na UE/AEE, 2017.

Segurança alimentar

A importância do  Campylobacter  na indústria aviária está amplamente relacionada à campilobacteriose humana e ao papel da avicultura como vetor e reservatório desta zoonose.

O custo anual da campylobacteriosis ao sistema de saúde pública, incluindo a perda de saúde e produtividade individual é estimado em:

  • Mais de € 2,4 bilhões na UEUS$ 1,2 a US$ 4 bilhões nos Estados Unidos
  • US$1,2 a $4 bilhões nos Estados Unidos

O impacto da campilobacteriose em humanos é bem conhecido. Ele geralmente resulta em severas dores abdominais e diarreia, o que pode levar à hospitalização. Mas vale a pena lembra que pode levar à morte e, em alguns casos, leva a sérias complicações, tais como a síndrome de Guillain-Barre, artrite reativa, bacteremia, doença inflamatória intestinal e síndrome do intestino irritável.

Nos países desenvolvidos, Campylobacter jejuni é frequentemente considerada como uma das causas mais importantes de doenças transmitidas pelos alimentos em humanos, com um número estimado de 2,5 milhões de casos de campilobacteriose humana por ano nos Estados Unidos (1.020 casos/100.000 pessoas/ano). 

Aproximadamente 100 pessoas morrem devido a infecções de  Campylobacter nos EUA todos os anos, sendo a maioria dos casos relatados em lactentes, idosos ou pacientes imunocomprometidos (Mead et al., 1999).

Consequentemente, é importante controlar esse patógeno na produção aviária.

Ocorrência

Campylobacter spp. São parte da microflora presente nos tratos digestivos de muitos animais selvagens e domésticos, incluindo porcos, gado e aves, sem sinais clínicos indicativos. Entretanto, os cientistas pelo mundo concordam fortemente que produtos aviários, incluindo carne, são a principal fonte de campylobacteriosis em humanos.

Espécies de aves são consideradas um vetor importante na campylobacteriosis humana. Por exemplo, 83% dos frangos de corte amostrados em um mercado vivo de frangos na cidade de Nova York carregavam  Campylobacter jejuni em seus intestinos (Grant et al., 1980). Usando estudos epidemiológicos anteriores, a manipulação da carne de galinha e o consumo da carne de galinha (principalmente crua ou malcozida) foram fortemente relacionados com o aumento do risco de desenvolver diarreia associada a Campylobacter em humanos (Harris et al., 1986).

De acordo com a Autoridade Europeia para Segurança Alimentar (European Food Safety Authority, EFSA), em 2017, 37,4% das 13.445 unidades amostrais (amostras individuais e em lote) de carne fresca de frango eram positivas para  Campylobacter spp. Esse número para aves de peru foi de 31,5% (em 1.028 unidades amostrais testadas para campylobacter). A proporção de unidades positivas em aves de capoeira, exceto frangos de corte e perus, foi de 27,7% (em 1.425 unidades amostrais).

 À luz dos problemas econômicos e de saúde associados à campilobacteriose, foram iniciadas sérias discussões entre autoridades governamentais de diferentes países sobre a possibilidade de impor controles obrigatórios para redução de  Campylobacter spp.  nas operações avícolas.

É importante lembrar que Campylobacter spp. não são necessariamente bactérias comensais, mas demonstraram ter o potencial de causar doenças em aves: diarreia e reduções na eficiência alimentar. No Reino Unido, por exemplo, as estimativas sugerem que os custos para a indústria são de mais de US$ 29,16 a cada mil frangos de corte. Controlar a situação na granja é benéfico para os produtores de aves, e não apenas para atender aos níveis de contaminação das aves que saem da planta de processamento.

Figura 2. Campylobacter (jejuni) em aves é uma preocupação de segurança alimentar.

Por que Campylobacter spp. é difícil de controlar

As bactérias Campylobacter não proliferam fora do trato alimentar de animais de sangue quente. Eles podem sobreviver até várias semanas em produtos alimentícios, principalmente aqueles armazenados em baixas temperaturas. Campylobacter spp. colonizam a mucosa do ceco e as criptas da cloaca de galinhas infectadas. Elas também podem infectar o baço e o fígado e circular no sangue.

Um único grama de fezes de galinha infectadas pode conter até cem milhões de  Campylobacter. Mesmo esse nível de infecção pode não causar alterações na mucosa cecal. Na produção comercial, as aves carregam altos níveis de Campylobacter spp. no intestino como parte de sua microflora normal sem apresentar quaisquer sinais de doença clínica. Além disso, não há alteração nas taxas de mortalidade ou conversão alimentar em rebanhos infectados.

Fontes potenciais de contaminação em fazendas de aves

Quando e como o Campylobacter infecta as aves

A prevalência de bandos de aves positivos para  Campylobacter é geralmente alta, embora isso varie por região, estação e tipo de produção (intensivo, caipira, orgânico, etc.). Em alguns casos, a contaminação chega a 2% do lote e, em outros casos, a contaminação pode chegar a 100%.

 É raro achar  Campylobacter em aves com menos de três semanas de idade. Os cientistas acreditam que isso pode estar relacionado à presença de anticorpos maternos e ao rápido desenvolvimento do trato gastrointestinal e da microbiota de um pinto. No entanto, após três semanas, mesmo que uma ave do lote seja infectada, todo o lote pode ser infectado em menos de quatro dias.

Vetores de transmissão do Campylobacter incluem:

  • Fezes
  • Insetos
  • Água
  • Roedores
  • Pessoas
  • Veículos
  • Equipamentos

Pesquisa

Isolados de  Campylobacter jejuni  obtidos de pacientes humanos têm sido usados para produzir diarreia experimental em galinhas jovens. A gavagem oral com C jejuni (9 x 107) induziu diarreia em 88% das galinhas com 3 dias de idade. Os autores determinaram que a diarreia pode ser induzida consistentemente em pintos jovens usando apenas 90 UFC (Ruiz-Palacios et al., 1981).

Galinhas de 2 a 3 dias de idade desafiadas com cepas humanas derivadas  C jejuni  desenvolveram diarreia consistentemente e o número inoculado de  Campylobacter foi amplificado por 3 a 4 logs em todo o intestino. Além disso, a infecção sistêmica foi sugerida após o isolamento de Campylobacter do baço, fígado e sangue retirado do coração (Sanyal et al., 1984).

Por que os antibióticos não são eficazes contra a infecção por Campylobacter em aves domésticas

Campylobacter spp. não é reconhecido como um patógeno específico em condições comerciais. Portanto, o tratamento do bando não é considerado. Deve-se ter cuidado com o risco zoonótico associado ao  C. jejuni  e sua capacidade de desenvolver rapidamente resistência a antibióticos. Na realidade, uma estratégia de controle antibiótico não seria uma escolha prática para o manejo de  Campylobacter em fazendas de aves.

Falta de vacina eficaz

O trabalho para desenvolver vacinas contra a campylobacteriosis, tanto no setor de saúde animal quanto no setor de saúde humana, já está bem estabelecido. No setor humano, nenhuma vacina para prevenir a doença associada à  Campylobacterfoi aprovada por uma autoridade reguladora em qualquer lugar do mundo. O principal problema provavelmente se deve a uma compreensão incompleta da patogênese e diversidade antigênica do  Campylobacter , bem como sua associação com algumas síndromes pós-infecciosas.

Dentro da indústria avícola, numerosas estratégias foram desenvolvidas e testadas experimentalmente na tentativa de criar uma vacina eficaz. Porém, nenhuma vacina eficiente contra  Campylobacter está disponível atualmente.

Experiências escandinavas apontam para uma abordagem preventiva

Os países escandinavos tiveram historicamente uma prevalência muito menor de campylobacteriosis em comparação com outros lugares. A abordagem de controle de  Campylobacter na Escandinávia se baseia na prevenção. Uma abordagem preventiva abrange toda a cadeia de produção de carne de frango, da fazenda até a mesa.

Uma abordagem preventiva para  Campylobacter foca três principais fatores de risco:

  1. Prevalência de rebanho de aves
  2. Contaminação da carcaça
  3. Higiene na cozinha

Entre esses três, a prevalência do rebanho é provavelmente o mais importante. A prevalência do rebanho de aves pode ser abordada de duas formas: 1) prevenindo que as aves sejam infectadas por  Campylobacter e 2) reduzindo a concentração de  Campylobacter no trato gastrointestinal das aves. A biossegurança desempenha um papel nos dois tipos de prevenção.

Soluções

Ainda não existe uma solução definitiva para controlar a Campylobacter em bandos de aves. No entanto, há várias estratégias que podem reduzir sua incidência, melhorando a segurança alimentar e aumentando os lucros das fazendas.

Os produtores de frangos de corte precisam aplicar uma série de medidas para reduzir os níveis de contaminação por Campylobacter . Uma abordagem mista começa com biossegurança melhorada, mudanças nas práticas de gerenciamento, intervenção comprovada na ração ou na água com aditivos e, finalmente, medidas de intervenção durante o abate.

A Tabela 1 fornece uma visão geral das estratégias de gerenciamento para combater a Campylobacter. Esses métodos de gerenciamento, porém, não são todos aplicáveis universalmente. Por exemplo, dentro da UE, há restrições devido à legislação de disponibilidade ou à demanda do consumidor por tamanho de carcaça. Além das estratégias de gerenciamento, há também a opção de utilizar aditivos alimentares ou tratamentos de água, o que pode reduzir ainda mais o nível de contaminação por Campylobacter, conforme apresentado na Tabela 2. Entre esses, os probióticos podem ser a abordagem mais promissora para o controle da Campylobacter por meio de intervenções nutricionais.

Medida Sucesso e status da implementação
Vacina Não existe
Intervenção de temperatura extrema Reivindicações para reduzir a taxa de contaminação da carcaça em até 90%.
Não elimina o risco para os seres humanos.
Lavagem com cloro Não é permitida na UE devido a preocupações com resíduos cancerígenos
Biossegurança rigorosa Pode reduzir a taxa de contaminação da carcaça em percentuais que vão de 50% a 70%,
embora seja difícil alcançar sob condições comerciais.
Pare o emagrecimento O descarregamento único de bandos pode diminuir a contaminação em 80%.
Pressiona a produção e introduz desafios de curto prazo.
Abate em 28 dias Redução drástica nos níveis de contaminação.
Impraticável devido às exigências do mercado.

Tabela 1. Estratégias de gerenciamento para neutralizar a contaminação por Campylobacter em frangos de corte.

Medida Sucesso e status da implementação
Bacteriocinas Alguns efeitos em ensaios científicos mostrando reduções de contaminação no ceco. Mais investigações são necessárias.
Bacteriófagos In vivo tende a ser terapêutico. Considerado para tratamento de carcaças em abatedouro, mas podem ocorrer problemas no registro.
Ácidos orgânicos É necessário mistura de ácidos. O pH da água potável deve ser reduzido para entre 4,0 e 4,5 para se obter melhores resultados. Resultados variados obtidos.
Aditivos fitogênicos para alimentação Ensaios in vitro não replicados in vivo até o momento. É necessário mais trabalho.
Probióticos Vários ensaios mostram significativa redução da colonização de Campylobacter.
Talvez o mais promissor para fins comerciais.

Tabela 2. . Estratégias nutricionais para neutralizar a contaminação por Campylobacter em frangos de corte.

Dez dicas para manter altos níveis de biossegurança e manter a  Campylobacter sob controle

É importante destacar a prevenção e o bom gerenciamento do desempenho intestinal para o controle de Campylobacter. Estas dez dicas buscam ajudá-lo a manter altos níveis de biossegurança em seus aviários, a fim de garantir a segurança do alimento e a lucratividade.

Dica 1: Separe as áreas limpas e sujas da entrada do aviário com uma barreira física (parede anã)

Uma parede anã representa um pequeno investimento, embora seja muito apreciada em fazendas que as possuem, pois ajudam a impedir a contaminação cruzada de  Campylobacter e outros patógenos.

  • Use calçados e macacões apropriados na área limpa durante todo o ciclo de crescimento.
  • Tome um banho desinfetante dentro da área limpa e um banho desinfetante fora da área limpa diretamente em frente à porta do galinheiro.
  • Melhor manter o calçado permanentemente limpo no banho desinfetante quando não estiver em uso. Troque o conteúdo dos banhos desinfetantes a cada três dias.
  • Limpe a área dentro do limite da parede regularmente com uma pá de lixo e uma vassoura exclusiva para tal que permaneçam dentro da área limpa e que não sejam usadas em nenhum outro lugar.

Ilustração de uma parede anã em um aviário

Dica 2: Mantenha o equipamento no aviário durante todo o ciclo

Objetos como escadas, baldes, cercas de pássaros, vassouras, etc. devem ficar no aviário por um ciclo inteiro. Evite transportar esses itens de uma casa para outra para reduzir o risco de contaminação.

Dica 3: Pratique a higiene regular das mãos

Equipe a entrada de cada aviário com uma pia ou lavatório com água morna, sabão, toalhas de papel e desinfetante para as mãos. Se a lista completa tiver um custo proibitivo, certifique-se de ter desinfetante para as mãos, o que ainda pode ser uma grande ajuda.

Dica 4: Use macacões descartáveis

Os macacões descartáveis são um modo barato e prático de reduzir bem a contaminação cruzada. Certifique-se de eliminá-los após cada visita ao aviário.

Dica 5: Aplique controle de roedores

A maioria dos agricultores está familiarizada com o processo de controle de roedores. É importante seguir com a abertura, limpeza e colocação de novas iscas nas estações de isca para ratos no início de cada colheita. Lembre-se de registrar observações e datas em que roedores aparecem. Os fornecedores de iscas para roedores podem fornecer mais instrução e treinamento conforme necessário.

Dica 6: Garanta uma boa qualidade de água

Independentemente da qualidade da água que chega à sua fazenda, o sistema de água potável deve ser adequadamente limpo para evitar que se torne um vetor de patógenos. É comum lavar e limpar as linhas no início e no final de cada safra, mas isso desconsidera as medidas de higiene que podem ser tomadas durante o período de crescimento. Cloro, peróxido de hidrogênio e acidificantes são comumente usados para garantir o saneamento adequado da água, para controlar a dureza da água e os níveis de ácido e para prevenir biofilme.

Dica 7: Retire a ração entre 8 e 12 horas antes do abate

O trato gastrointestinal dos frangos é esvaziado e achatado com descamação relativamente leve após 8 e 12 horas de jejum. A extensão da contaminação cruzada reduzirá consideravelmente se as aves passarem pelo período correto de retirada da ração antes de serem transportadas para o abatedouro. Aves que tiveram um período adequado de retirada de ração antes de sua entrada no abatedouro podem levar menos contaminação em suas penas e patas, etc., porque excretam muito menos material fecal durante o transporte.

Além disso, aves mais limpas entrando em tanques de escaldagem podem causar menos contaminação na água, que é amplamente reciclada durante a operação. Não retire a ração cedo demais. À medida que o tempo de retirada aumenta ao longo de 14 horas, a integridade intestinal diminuirá e a probabilidade de ruptura intestinal e subsequente contaminação aumentará.

Dica 8: Instruir as equipes de captura e transporte

As equipes de captura são uma das principais fontes de contaminação cruzada de  Campylobacter entre fazendas. O estresse também torna as aves mais suscetíveis a patógenos. Certifique-se de que todos os visitantes e funcionários sigam seus protocolos de biossegurança e sigam os procedimentos adequados de captura e transporte para reduzir ao mínimo o estresse e as doenças.

Dica 9: Discutir práticas de descanso e de abatedouro

A contaminação cruzada entre abatedouro e fazendas é outra causa importante de ocorrência de  Campylobacter nas fazendas. Veículos de captura contaminados durante o transporte podem viajar para três ou quatro fazendas todos os dias. Os caixotes de coleta devem ser devidamente limpos e desinfetados após cada entrega. As aves podem ser mantidas em descanso (ou seja, no pátio da fábrica) ou mesmo no veículo de transporte por até seis horas.

Sob tais condições, as aves eliminam um número considerável de micro-organismos presentes em seu intestino, incluindo  Campylobacter. Fale com o gerente do matadouro regularmente para verificar se as etapas necessárias são seguidas e se todos os envolvidos entendem seus papéis e responsabilidades.

Dica 10: Controle a contaminação no intestino das aves

Certos aditivos alimentares que ajudam a saúde e a integridade do intestino podem desempenhar um papel na limitação do crescimento e colonização de  Campylobacter  Procure  probióticos de aves  que ajudem bactérias benéficas: eles excluem competitivamente bactérias nocivas ou indesejadas no trato gastrointestinal das aves colonizando o intestino e consumindo nutrientes antes que surjam problemas; uma solução microbiana para um problema microbiano.

CRINA® Poultry Plus

CRINA® Poultry é um aditivo aromatizante que abrange uma mistura específica de componentes de óleos essenciais, incluindo timol, eugenol e piperina. Esses ingredientes estimulam a produção de enzimas digestivas e melhoram o equilíbrio da microflora intestinal.

O ácido benzoico é o ácido orgânico mais eficaz para inclusão nas dietas das aves. Mostrou um forte efeito antimicrobiano, particularmente contra E. coli e campylobacter.

O resultado é uma eficiência digestiva maior e mais consistente.

Aves de crescimento mais rápido e mais eficientes

CRINA® Poultry Plus pode ser adicionado a dietas desde rações iniciais até rações de retirada.

Os resultados dos testes mostraram:

  • Maior ganho diário de peso vivo
  • Maior conversão alimentar
  • Controle superior de bactérias patogênicas
  • Maiores lucros, com um retorno médio sobre o investimento de 5:1.

CRINA® Poultry Plus ajuda os produtores a manter o desempenho na era pós-antibióticos.

Essenciais

  • Balancius®

    Juntas, a DSM e a Novozymes criaram o Balancius®, o primeiro e único ingrediente de ração desenvolvido para liberar o potencial oculto da funcionalidade gastrointestinal.

  • PoultryStar®

    PoultryStar® é um probiótico e prebiótico (simbiótico) bem-definido para várias espécies de aves que promove uma microflora intestinal benéfica e melhora os resultados de frangos de corte, poedeiras e matrizes.

  • CRINA®

    Nossas misturas específicas de componentes de óleos essenciais demonstraram ajudar a proporcionar um melhor equilíbrio da microflora intestinal.

  • CYLACTIN®

    Aumente a proporção de bactérias “boas” e você terá um intestino com melhor desempenho.

  • Biotronic®

    A linha Biotronic® de acidificantes avançados de última geração auxilia animais de produção modernos contra bactérias gram-negativas.

  • BIOMIN® CleanGrain Plus

    BIOMIN® CleanGrain Plus é uma mistura exclusiva de ácidos e sais orgânicos criada para proteger contra a deterioração de grãos e subprodutos causados por bolores, leveduras e bactérias.

  • DHAgold™

    Com o DHAgold™, trazemos a você uma fonte sustentável de ácido docosahexaenoico para enriquecer aves, suínos e aquáticos.

  • Digestarom® DC Power

    Digestarom® DC Power é um aditivo alimentar fitogênico de última geração, misturado em pré-misturas, ração mineral ou ração acabada, utilizado para auxiliar a ingestão de ração animal e para auxiliar a digestão e a conversão alimentar. O conversor de alimentação.

  • Digestarom®

    A linha de fitogênicos Digestarom® contém misturas exclusivas de ervas e especiarias, óleos essenciais e outros extratos de plantas para melhorar a palatabilidade e aceitação da ração, apoiar a digestão e o desempenho geral dos animais de produção.

Share

Share