Acidose ruminal

Espécies selecionadas

SOBRE

Acidose ruminal

A acidose ruminal é uma doença metabólica de bovinos que afeta gado de engorda e de leite. A acidose em bovinos geralmente está associada à ingestão de grandes quantidades de alimentos altamente fermentáveis e ricos em carboidratos, que resultam em produção excessiva e acúmulo de ácidos no rúmen. 

A acidose ruminal pode estar presente de diferentes formas, desde formas agudas com risco de vida até doenças crônicas, de difícil detecção (Oetzel, 2003). 

Duas principais formas de acidose ruminal são: 

  1. Acidose ruminal aguda 
  2. Acidose ruminal subaguda (SARA) 

A diferença entre as formas aguda e subaguda é que durante a acidose ruminal aguda a depressão do pH é mais grave (Oetzel et al., 1999), e os sinais clínicos mais proeminentes (Kleen et al., 2003). A acidose ruminal aguda é comum em confinamentos, enquanto a SARA é mais comum em fazendas leiteiras (Krause e Otzel, 2006). Ao contrário da acidose aguda, na SARA a depressão do pH é aparentemente devida apenas ao acúmulo total de ácidos graxos voláteis e não ao acúmulo de ácido lático (Krause e Otzel, 2006).

Definição de acidose ruminal subaguda

A acidose ruminal subaguda é a doença nutricional mais importante em bovinos leiteiros, pois pode impactar negativamente a indústria de laticínios, diminuindo a ingestão de matéria seca, a produção de leite, a lucratividade e aumentando a taxa de descarte e a perda por morte (McCann et al., 2016).

A definição atual de SARA é baseada em um período de tempo durante o qual o pH do rúmen está abaixo de um determinado limite. Embora não haja um consenso geral sobre o limiar de pH para SARA, as duas principais definições indicam 5,24 horas abaixo de 5,8 (Zebeli et al., 2008) e 3 horas abaixo de 5,6 (Plaizier et al. 2008).  

×

Dr. Christina Gruber, cientista da BIOMIN®, fornece uma visão geral da acidose ruminal e um modelo de simulação ruminal usado no laboratório para encontrar estratégias eficazes de prevenção de acidose.

Técnica de diagnóstico

Entre a comunidade científica, as técnicas de diagnóstico mais comuns são baseadas na determinação do pH ruminal. Os métodos mais difundidos estão listados abaixo:

  • Método de registro de dados de pH interno:  este é atualmente o melhor método para registrar flutuações de pH em tempo real. No entanto, diferentes áreas do rúmen têm pH diferente e movimentos de sensores descontrolados podem gerar dados não confiáveis.
  • Rumenocentese: consiste na aspiração percutânea por agulha do líquido ruminal do rúmen caudoventral. A desvantagem desse método é que ele é bastante invasivo, podendo resultar em abscessos no local da punção (Aceto et al., 2000). 
  • Técnica Oral – Tubo Estômago: não é considerada uma técnica confiável, pois o pH pode variar dependendo da localização intrarruminal, tempo de amostragem em relação à alimentação e contaminação da saliva (Enemark et al., 2002).
  • Método da cânula ruminal
Outras técnicas de diagnóstico não invasivas promissoras incluem:
  • Lipopolissacarídeo fecal (LPS):  a alimentação com dietas ricas em grãos para induzir acidose ruminal subaguda (SARA) em vacas leiteiras tem sido associada ao aumento da concentração fecal de lipopolissacarídeos (LPS; = endotoxinas) originários de bactérias gram-negativas (Li et al. ., 2012).
  • Gasometria: para detectar desequilíbrio ácido-base no sangue (Giansella et al., 2010)
  • Padrão de ácidos graxos do leite:  o que pode ajudar a identificar vacas com diferentes suscetibilidades a um desafio SARA dentro de um rebanho (Jing et al., 2018)

Causas de acidose ruminal subaguda (SARA)

SARA ocorre quando o tamponamento ruminal não é adequado para contrastar a produção de ácidos graxos voláteis (AGV). Isso pode ser devido a diferentes razões:

  1. Alimentação excessiva de carboidratos à custa da fibra dietética. Partículas de fibras longas (4 mm) estimulam a atividade de mastigação, o que impulsiona a produção de saliva. A saliva, com valor de pH de aproximadamente 8,2 e alto nível de bicarbonato de sódio, tem efeito redutor no rúmen.
  2. Excesso de partículas longas de forragem (separação). A estrutura física da fibra também é importante. Mesmo que os níveis de fibra da dieta sejam adequados, mas as partículas sejam muito longas ou intragáveis, a separação dos concentrados ocorre logo após a entrega da ração, fazendo com que a vaca consuma uma dieta pobre em fibras fisicamente eficazes (Oetzel, 2007).
  3. Falha na adaptação às rápidas mudanças na dieta. O exemplo clássico é a passagem da dieta seca rica em volumosos, para a dieta do início da lactação rica em concentrados. A população bacteriana do rúmen de um lado e as papilas do rúmen do outro precisam de tempo para estarem prontas para digerir grande quantidade de carboidratos e, consequentemente, absorver grande quantidade de AGV.

Fatores de risco para SARA

As vacas correm mais risco de desenvolver SARA nas seguintes circunstâncias: 

  1. Lactação precoce devido à instabilidade da população bacteriana (Devries et al., 2009) e à diminuição do tamanho e capacidade de absorção das papilas ruminais após alimentação de dietas de menor energia durante o período seco (Stone, 2004). 
  2. Vacas primíparas, pelas mesmas razões descritas acima e adicionalmente porque os animais nunca foram expostos a uma dieta de lactação antes (Enemark et al. 2004) (Krause e Otzel 2006).   
  3. Vacas submetidas ao estresse calórico.  O aumento da frequência respiratória durante o estresse calórico reduz as concentrações de bicarbonato no sangue, diminuindo assim a capacidade tampão ruminal do animal. Além disso, no verão, os padrões atípicos de refeições em resposta a evitar o calor podem diminuir a frequência das refeições e aumentar as crises acidóticas.
  4. Erros no cálculo e gerenciamento da ração: cálculo errado da matéria seca, erros na mistura TMR, horário de alimentação e espaço no cocho por vaca (Kleen et al. 2003).

Prevalência

A prevalência de SARA aumenta à medida que as vacas consomem mais matéria seca total e à medida que as vacas consomem dietas contendo maior proporção de grãos. No entanto, na pecuária leiteira intensiva, o problema é tecnicamente inevitável. A alimentação em grupo e a forte variabilidade entre vacas individuais em termos de microbioma ruminal são as principais razões de falha (Figura 1) 

Figura 1. pH ruminal medido cinco dias após o parto em duas vacas (melhor e pior caso de acidose) alimentadas com a mesma dieta de lactação (Penner, Beauchemin e Mutsvangwa, dados não publicados)

Prevalência País Referência
19% lactação precoce
26% meados de lactação
EU (15 fazendas) Garrett et al. 1997
20,1% de lactação precoce e de pico EU (14 fazendas) Oetzel et al. 1999
13.8% overall Holanda Kleen et al. 2009
11% vacas de pastagem Irlanda O'Grady et al. 2008
33% lactação precoce Itália Morgante et al. 2007
11% lactação precoce
18% meados de lactação
Alemanha/Holanda Kleen et al. 2004
20% geral Alemanha Kleen et al. 2013
14% geral Polônia Stefanska et al. 2016

Tabela 1. Prevalência de SARA em rebanhos leiteiros relatada por diferentes autores.

A prevalência de SARA varia entre 11% e 33% no início da lactação (Kleen et al. 2004; Morgante et al. 2007) e entre 18% e 26% no meio da lactação (Kleen et al. 2004; Garret et al. 1997). A Tabela 1 resume a prevalência de SARA em rebanhos leiteiros relatada por diferentes autores.

O diagnóstico de SARA é difícil nas condições da fazenda, pois os sinais clínicos são geralmente sutis e tardios (Humer et al., 2018). Os achados clínicos que podem direcionar a atenção do veterinário para a possível ocorrência de SARA foram recentemente resumidos por Oetzel (2017) e incluem, por exemplo, um escore de condição corporal ruim e casos frequentes de infecções. A recomendação é atentar para a presença de múltiplos sinais, como os listados abaixo, pois não há um indicador específico e único para SARA.  

Alguns sintomas da SARA: 

1. Abscessos  hepáticos podem ocorrer como resultado de uma cascata de eventos começando com rumenite e paraceratose ruminal. Uma vez que o epitélio do rúmen está inflamado, as bactérias podem vazar para a circulação portal e causar abscessos. Um achado mais específico indicativo de SARA são os abscessos hepáticos no abate que podem atingir prevalências de >30% em vacas de descarte (Rezac et al., 2014). Limite: informações post mortem muitas vezes são perdidas. 

2. Ingestão e/ou produção de leite variáveis.  Em vacas afetadas por SARA, um padrão alimentar flutuante tem sido descrito como o sintoma mais consistente. Durante a metade da lactação, a ingestão variável de alimentos pode ser indicada pela observação da produção de leite variável; no entanto, no início da lactação, isso provavelmente passará despercebido, devido à mobilização das reservas corporais (Humer et al., 2018). 

3. Depressão de gordura do leite. A interpretação de baixo teor de gordura do leite é bastante difícil, pois a porcentagem normal de gordura do leite depende em grande parte da raça, DIM e estação do ano. Além disso, as médias do rebanho podem obscurecer vacas atípicas com teor de gordura do leite muito baixo ou alto. Portanto, pode ser útil interpretar o teor de gordura do leite como uma proporção de vacas com resultados de teste muito baixos (2,5% para vacas Holandesas); pelo que estas vacas não devem representar mais do que aproximadamente 10% do rebanho (Oetzel, 2007). Além disso, é importante ter em mente que outros fatores também podem levar à baixa concentração de gordura do leite, como a ingestão excessiva de lipídios vegetais ricos em ácidos graxos poli-insaturados. 

4. Alterações nas fezes e diarreia. A SARA afeta a consistência e o tamanho das partículas das fezes; no entanto, essas alterações são geralmente transitórias. A aparência típica das fezes é amarelada brilhante com cheiro agridoce (Kleen et al., 2003). Além disso, as fezes podem parecer espumosas com bolhas de gás e grãos de cereais integrais, bem como quantidades maiores de fibras não digeridas podem estar presentes. O tamanho das partículas fecais pode ser aumentado em cerca de 1 a 2 cm em vez do tamanho normal de menos de 0,5 cm (Hall, 2002). 

5. Alta incidência de claudicação. Durante a SARA, moléculas vasoativas como histamina, LPS e ácido lático são liberadas na corrente sanguínea. Essas moléculas desempenham um papel importante na etiologia da laminite, enfraquecendo o tecido do casco e predispondo os animais à claudicação. Os valores de referência são impossíveis de estabelecer, pois os fatores ambientais desempenham um papel importante nesse tipo de doença. 

Consequências da SARA para o gado de leite

A SARA tem consequências econômicas e sanitárias devastadoras a longo prazo no gado leiteiro. O efeito mais visível e direto do estresse acidótico pode ser observado no trabalho publicado por Khafipour et al. 2009, no qual um desafio SARA foi induzido em vacas em lactação. Nesse experimento cerca de 20% de uma proporção 50:50 de forragem para concentrado (F:C) TMR foi substituído por um pellet contendo 50% de cevada e 50% de trigo por uma semana, resultando em uma proporção de F:C de 40:60. 

O desafio da SARA induzida neste experimento reduziu o CMS (15%), a produção de leite (3,3 kg/d) e a gordura do leite (0,12% ponto). 

Poucas tentativas foram feitas para calcular o impacto econômico potencial da SARA. Um dos mais citados é um estudo de caso realizado em uma leiteria de 500 vacas no centro de Nova York (Stone, 1999). Stone calculou um custo de US$ 400 a US$ 475 de perda de renda por vaca por ano devido à SARA. Esta estimativa aproximada foi calculada simplesmente multiplicando-se uma produção de leite reduzida em 2,7 kg/dia, gordura do leite em 0,3% e proteína do leite em 0,12% pontos para toda a lactação. 

Figura 2. Médias diárias de CMS e produção de leite em vacas leiteiras alimentadas com TMR basal durante o controle ou TMR com pellets de trigo-cevada durante o tratamento com acidose ruminal subaguda (SARA). As barras de erro indicam o erro padrão da diferença entre os tratamentos (SED); dentro de cada dia, * = P 0,05.

A perda de desempenho pode ser explicada a nível fisiológico, pelo estado de inflamação sistémica que ocorre em vacas submetidas a um desafio acidótico. Um desequilíbrio entre carboidratos e fibras fisicamente eficazes causa uma mudança para bactérias gram-negativas, resultando na liberação de lipopolissacarídeo (LPS) livre de células no rúmen. O LPS pode então translocar pelo intestino e, em menor grau, pelo epitélio do rúmen e atingir a circulação sistêmica, desencadeando uma forte resposta inflamatória (Zebeli e Metzler-Zebeli, 2012).

No entanto, qualquer estimativa sobre a perda de desempenho seria inevitavelmente imprecisa por dois motivos principais: 

  1. A perda de desempenho depende da gravidade do estresse induzido conforme descrito por Li et al., 2012.
  2. Ao prejudicar a saúde das vacas, a SARA também tem sido associada a outras doenças, como abomaso deslocado, fígado gorduroso, abscessos hepáticos, laminite e síndrome da vaca deprimida, aumentando assim o risco de descarte e tratamentos veterinários (Abdela, 2016).

Como minimizar o risco de SARA

Dado o tempo de atraso após o início da SARA, não há tratamento específico. Isso reforça a importância da prevenção. 

Além de oferecer às vacas uma dieta balanceada em termos de quantidade e degradação de carboidratos e quantidade e tamanho de fibra, o manejo alimentar é de vital importância para minimizar o risco de SARA.

Uma lista de indicações práticas de gerenciamento foi listada na revisão de Humer et al. (2018) e inclui: 

  1. Verifique a distribuição do tamanho das partículas da dieta. Uma distribuição apropriada de partículas de ração pequenas e grandes resultará em um comportamento alimentar menos seletivo e em um pH ruminal mais estável (Tabela 2. Adaptado de Heinrichs e Kononoff, 2002).
  2. Providencie espaço suficiente na pista de alimentação (pelo menos 60 cm/vaca), evitando competição alimentar e o consumo de grandes refeições.
  3. Não misture demais o TMR (máximo de 3 a 5 minutos após a adição do último ingrediente). A mistura excessiva diminui a estrutura da ração. 
  4. Adicione água a um TMR seco até atingir um teor de MS de 55%, para minimizar a separação. 
  5. Entregue a ração com mais frequência e aumente o número de flexões de ração para incentivar refeições pequenas e frequentes. 
Fração de partículas Tamanho da tela TMR 1 (%) TMR 2 (%) PMR (%)
 Partículas grandes >19 mm 3 a 8 3 a 8 15 a 25
 Partículas médias 8 a 19 mm 30 a 40 35 a 45 35 a 65
 Partículas finas 1,18 a 8 mm 30 a 40 40 a 50 15 a 25
 Partículas muito finas <1,18 mm <20 <10 <8

Tabela 1. Recomendações para distribuição granulométrica da TMR quando a TMR é composta de concentrados moídos (TMR 1), com concentrados peletizados (TMR 2) ou a dieta é oferecida como ração mista parcial (PMR) (parcialmente adaptado de Heinrichs e Kononoff, 2002)

Como mitigar os efeitos da SARA

A suplementação de aditivos alimentares representa outra abordagem comumente usada para mitigar as consequências da SARA. Os aditivos alimentares comumente usados incluem: 

  • Suplementos de levedura
  • Óleos essenciais ou fitogênicos
  • Aglutinantes de toxina

Suplemento de levedura Levabon® Rumen E

Uma das classes de aditivos mais utilizadas nesse sentido são os produtos de leveduras que podem ser fornecidos como leveduras vivas, leveduras mortas ou produtos de cultura de levedura. 

Levabon® Rumen E é uma levedura autolisada, com modo de ação prebiótico, que tem demonstrado efeitos benéficos em vacas expostas a um desafio acidótico. Em um estudo feito em cooperação com a Universidade de Medicina Veterinária de Viena, vacas canuladas no rúmen foram alimentadas com uma dieta de forragem pura e trocadas para uma dieta concentrada de 65% na base de MS, para induzir um estresse acidótico. A suplementação da dieta rica em concentrado com Levabon® aumentou a duração da alimentação, mastigação total e CMS em comparação com a dieta controle (Kröger et al., 2017).

Além disso, o Levabon® causou efeitos pronunciados na concentração de aminas biogênicas, como a histamina, durante o primeiro desafio acidótico, apresentando uma redução de 31% em comparação com o controle. 

Seu efeito benéfico também se reflete em nível de microbioma. No mesmo estudo, o Levabon® diminuiu as bactérias gram-negativas graças à atividade de ligação de certos componentes da levedura, como mananoligossacarídeos, β-glucanos, quitina, peptídeos, AA e nucleotídeos. Os mesmos componentes também atuaram como substrato para bactérias celulolíticas, promovendo o crescimento de Ruminicoccus e Clostridium spp. no rúmen desafiado e contribuindo para a manutenção de um pH ruminal fisiológico (Neubauer et al., 2018). 

Desativador de toxinas Mycofix®

O complexo de ligação Mycofix® demonstrou uma alta afinidade para lipopolissacarídeos (LPS) in vitro. A ligação de LPS foi testada tanto na presença de altas concentrações de aflatoxina, para excluir a competição entre Afla e LPS pelos mesmos sítios de ligação, quanto em fluido ruminal usando a Técnica de Simulação de Rumen (RuSiTec). (Imagem disponível se necessário)

Com base nisso, estudo in vivo foram realizados para testar o Mycofix® em vacas submetidas ao estresse acidótico. Em um estudo feito pelo Prof. Zebeli e sua equipe, vacas não lactantes foram desafiadas com dietas intermitentes de alto concentrado para induzir SARA. Como resultado desse estresse nutricional, os níveis de enzimas hepáticas como AST e GLDH, considerados marcadores da integridade dos hepatócitos de vacas leiteiras (Bobe et al., 2004) aumentaram em relação aos níveis detectados em vacas controle (Figura 3). 

O fígado desempenha um papel importante na resposta inflamatória causada pela liberação de LPS e subsequente translocação na circulação sanguínea. Esse mecanismo é amplamente descrito por Zebeli e Metzler-Zebel, 2012. The beneficial effect of the clay mineral CM (Mycofix®) supplementation on improved liver health, can be explained by a lower toxic load in the rumen and systemic circulation because of its known capability to absorb LPS (Humer et al., 2019).   

Figura 3. Concentração de aspartato aminotransferase (AST) e glutamato desidrogenase (GLDH) em vacas alimentadas com dieta controle e aditivo mineral de argila (CM). (Adaptado de Humer et al., 2019)

Outro efeito interessante observado foi a significativa redução de certas aminas biogênicas cuja produção é aumentada durante alimentação com alto teor de grãos. Entre todas as aminas biogênicas, a histamina, que também é conhecida por desempenhar um papel na patogênese da laminite, foi significativamente reduzida em 28% em vacas suplementadas com  Mycofix® (Humer et al., 2019).  

Finalmente, para estimar o efeito global de  Mycofix®  sobre todos os parâmetros mensurados, uma análise multivariada foi conduzida para identificar tendências características ou agrupamento entre vacas alimentadas com uma dieta de forragem pura (linha de base), a dieta da acidose ruminal subaguda (Sub-acute Ruminal Acidosis, SARA) (65% concentrado; = controle) ou dieta com  Mycofix®. O resultado foi que as amostras de SARA se agruparam separadamente das amostras de linha de base, com o que as vacas receberam  Mycofix®  agrupado mais próximo da linha de base do que as vacas controle (Humer et al., 2019) (Fig. 4).

O efeito benéfico de  Mycofix®  nas vacas afetadas por SARA se reflete também em nível de microbioma. Em outro artigo originado do mesmo experimento,  Mycofix®  mostrou certo potencial para reduzir as bactérias associadas ao baixo pH, tais como  Lactobacillus, e favorecer gêneros altamente abundantes como  CampylobacterButyrivibrio, e bactérias comensais gram-positivas menos abundantes. Juntamente como que foi previamente mostrado  in vitro, Mycofix® mostrou um efeito decrescente em bactérias possivelmente nocivas, especialmente do gênero gram-negativo, tais como  TreponemaFusobacteria, e Succiniclasticum. Esses grupos incluem espécies produtoras de Lipopolissacarídeos (Lipopolysaccharides, LPS) e potenciais patógenos do hospedeiro (Neubauer et al. 2019).

Figura 4. Uma análise discriminante parcial de mínimos quadrados (partial least-squares discriminant analysis, PLS-DA) dos metabólitos do sangue que foram afetados pelo aditivo alimentar. O gráfico score plot bidimensional distingue os perfis metabólicos de vacas alimentadas ou com uma dieta de forragem pura (Linha de base; vermelho) ou uma dieta 65% concentrada (SARA) sem aditivos alimentares (Controle, CON, azul), ou um produto à base de argila mineral (CM, verde).

Aditivo alimentar fitogênico Digestarom® 

Digestarom®  contém uma mistura de temperos, ervas e óleos essenciais que mostraram o potencial de modular o pH de formas diferentes. O produto foi testado em um extenso estudo feito em cooperação com a Universidade de Medicina Veterinária de Viena, no qual vacas não lactantes foram alimentadas com uma dieta intermitente altamente concentrada para induzir SARA.

Uma das principais descobertas foi que a suplementação de  Digestarom®  melhorou a dinâmica do pH reticular quando as leituras mais baixas do pH reticular foram observadas nas vacas controle sujeitas a estresse acidótico. De modo particular, Digestarom® aumentou o tempo gasto ruminando e a mastigação total (Fig.5) (Kröger et al. 2017). 

Figura 5. A duração do pH reticular <6.0 em vacas leiteiras alimentadas com uma dieta controle (CON), ou com uma dieta suplementada com compostos fitogênicos (PHY) por dia de experimento. A linha sólida indica o limite SARA de um pH reticular <6.0 para mais tempo do que 314 min/d. Tratamentos com letras diferentes (a,b) diferem significativamente dentro do mesmo dia (P < 0.05) (Adaptado de Kröger et al., 2017).

Porém, os efeitos positivos de Digestarom® ao encurtar o tempo do pH reticular <6.0, não pode ser exclusivamente atribuído a alterações no comportamento ruminante. De fato, durante o desafio do segundo concentrado (CONC 2), houve um efeito positivo no pH sem qualquer influência nas variáveis da mastigação (Kröger et al., 2017).  

A explicação pode vir do efeito modulador que Digestarom® mostrou em relação à comunidade bacteriana ruminal com efeitos potenciais na redução da degradação ruminal de alimentos ricos em amido. Quase todas as bactérias reduzidas por Digestarom® são conhecidas por utilizarem amido, incluindo os gêneros Shuttleworthia, Olsenella, Bacteroides, Bifidobacterium, Roseburia, e Syntrophococcus (Calsamiglia et al., 2007; Patra, 2011), enquanto nenhuma taxa de fermentação de fibra foi reduzida (Neubauer et al., 2018).  

Em uma dieta altamente concentrada, o aumento no amido fornecido normalmente supriria as bactérias amilolíticas com substrato suficiente para promover o crescimento.  A queda nas bactérias amilolíticas observada com a suplementação de Digestarom® nesse experimento corrobora o modo de ação declarado por Calsamiglia et al. (2007) e Cobellis et al. (2016).  

Uma redução nos usuários de amido atrasaria potencialmente o início da fermentação SCFA, reduziria o acúmulo dos ácidos graxos de cadeia curta (short-chain fatty acid, SCFA) e, portanto, evitaria a rápida e prolongada duração do baixo pH após a alimentação (Neubauer et al. 2018). 

Além do mais, com uma redução nos usuários de amido, a bactéria celulótica pode ter uma chance de evoluir devido à menor concorrência (Neubauer et al. 2018). Isso é apoiado pelo maior pH retículo-ruminal previamente reportado para Digestarom® (Kröger et al., 2017). 

Referências

Secrist, D.S., Hill, W.J., Gill, D.R., 1998. Acidose no gado: um estudo. J. Anim. Sci. 76 (1), 275–286., Z.K., 2011. Ocorrência de alcalose metabólica na acidose láctea do rúmen: um artigo de resenha Comp. Clin. Pathol. 20 (1), 1–3.

Humer E., Aschenbach J.R., Neubauer V., Kröger I., Khiaosa-Ard R, Baumgartner W., Zebeli Q.
Sinais para identificar vacas em risco de acidose ruminal subaguda na prática veterinária leiteira. J Anim Physiol Anim Nutr (Berl). 2018 Apr;102(2):380-392. 

Hall, M. B. (2002). Características do esterco O que eles significam? In Anais da Conferência sobre alimentação de gado de leite em três estados (Tri-State Dairy Nutrition Conference), Fort Wayne, Indiana, EUA, p. 141-147. 

Oetzel, G. R. (2017). Diagnóstico e gerenciamento da acidose ruminal subaguda em rebanhos de gado de leite. Clínicas veterinárias da América do Norte: Prática de alimento animal (Food Animal Practice), 33, 463-480.  

Oetzel, G.R., 2007. Acidose ruminal subaguda em rebanhos de gado de leite: fisiologia, patofisiologia, respostas de gordura do leite e gerenciamento nutricional. Proc. AABP 40th Annual Conference, Vancouver, BC, Canada, pp. 89-119. 

Oetzel, G.R., 2003. Acidose ruminal subaguda em gado de leite. Adv. Dairy Technol. 15, 307-317. 

Oetzel, G.R., Nordlund, K.V., Garrett, E.F., 1999. Efeito do pH ruminal e estágio de lactação nas concentrações de lactato ruminal em vacas leiteiras. J. Dairy Sci. 82, 38. 

Abdela N., 2016. Acidose ruminal subaguda (SARA) e suas consequências para o gado de leite: Uma resenha das pesquisas antigas e recentes da Global Prospective. Conquistas nas Ciências da Vida (Achievements in the “Life Sciences” 10 (2016) 187–196 

Busquet, P. W. Cardozo, L. Castillejos, e A. Ferret. 2007. Revisão convidada: Óleos essenciais como modificadores da fermentação microbiana do rúmen. J. Dairy Sci. 90:2580–2595.  

Bobe G, Young JW e Beitz DC 2004. Revisão convidada: Patologia, etiologia, prevenção e tratamento da doença hepática gordurosa em vacas leiteiras. Journal of Dairy Science 87, 3105-3124. 

Calsamiglia, S., M. Busquet, P. W. Cardozo, L. Castillejos, e A. Ferret. 2007. Revisão convidada: Óleos essenciais como modificadores da fermentação microbiana do rúmen. J. Dairy Sci. 90:2580–2595. Rehage, J., Noordhuizen,
J.P.T., 2003. Acidose ruminal subaguda (SARA): um estudo. J. Vet. Med. A Physiol. Pathol. Clin. Med. 50, 

Cobellis, G., M. Trabalza-Marinucci, e Z. Yu. 2016. Avaliação crítica dos óleos essenciais enquanto modificadores de rúmen na nutrição dos ruminantes: Um estudo. Sci. Ambiente total. 545-546:556-568.  

Kleen, J.L., Upgang, L., Rehage, J., 2013. Prevalência e consequências da acidose ruminal subaguda em rebanhos de gado de leite alemães Acta Vet. Scand. 55, 1–6. 

Jing L, Dewanckele L, Vlaeminck B, Van Straalen WM, Koopmans A, Fievez V. A susceptibilidade das vacas leiteiras à acidose ruminal subaguda é refletida nas proporções de ácido graxo do leite, com C18:1 trans-10 como indicadores primários
C15:0 e C18:1 trans-11 como indicadores secundários. J Dairy Sci. 2018 Nov;101(11):9827-9840. 

Krause, M.K., Otzel, G.R., 2006. Entendendo e prevenindo a acidose ruminal subaguda em rebanhos de gado de leite: um estudo. Anim. Feed Sci. Technol. 126, 215–236. 

McCann, J.C., Luan, S., Cardoso, F.C., Derakhshani, H., Khafipour, E., Loor, J.J., 2016. A indução de acidose ruminal subaguda afeta o microbioma e o epitélio ruminal. Front. Microbiol. 7, 701. 

Garrett, E.F., Nordlund, K.V., Goodger,W.J., Oetzel, G.R., 1997. Um estudo de campo transversal investigando os efeitos do gerenciamento nutricional de periparturiente sobre o pH ruminal em vacas leiteiras no início da lactação. J. Dairy Sci. 80, 169. 

O'Grady, L., Doherty, M.L., Mulligan, F.J., 2008. Acidose ruminal subaguda (SARA) em vacas leiteiras irlandesas de pastoreio (edição especial: doenças de produção da vaca de transição). Vet. J. 176 (1), 44–49. 

Morgante,M., Stelletta, C., Berzaghi, P., Gianesella, M., Andrighetto, I., 2007. Acidose ruminal subaguda em vacas lactantes: uma investigação em rebanhos intensivos de gado de leite italianos. J. Anim. Nutr. Anim. Fisiol. (Berl) 91 (5–6), 226–234. 

Neubauer V., Humer E., Mann E., Kröger I., Reisinger N., Wagner M., Zebeli Q., Petri R.M., 2019. Efeitos da suplementação de argila mineral na microbiota associada a partículas e epimural e na expressão gênica no rúmen de vacas alimentadas com dieta altamente concentrada. Anaerobe 59 (2019) 38-48

Stefańska, B., Nowak,W., Komisarek, J., Taciak,M., Barszcz, M., Skomiał, J., 2016. Prevalência e consequências da acidose ruminal subaguda em rebanhos de gado de leite poloneses (Prevalence and consequence of subacute ruminal acidosis in polish dairy herds). J. Anim. Nutr. Anim. Fisiol. 

Devries, T.J., Beauchemin, K.A., Dohme, F., Schwartzkopf Genswein, K.S., 2009. Desafios da acidose ruminal em vacas leiteiras lactantes com alto e baixo risco de desenvolver acidose: comportamentos ao se alimentar, ao ruminar e ao se deitar. J. Dairy Sci. 92 (10), 5067–5078. 

Rezac, D. J., Thomson, D. U., Siemens, M. G., Prouty, F. L., Reinhardt, C. D., & Bartle, S. J. (2014). Um levantamento das condições patológicas brutas em vacas de descarte no abate na região dos Grandes Lagos dos Estados Unidos. Journal of Dairy Science, 97, 4227–35.  

Stone, W.C., 2004. Abordagens nutricionais para minimizar a acidose ruminal subaguda e a laminite em gado de leite. J. Dairy Sci. 87, E13–E26. 

Enemark, J.M.D., Jorgensen, R.J., Enemark, P.S., 2002. Acidose ruminal com ênfase especial nos aspectos diagnósticos da acidose ruminal subclínica: um estudo. Veterinarija ir Zootechnika 42, 16–29. 

Enemark, J.M.D., Jørgensen, R.J., Kristensen, N.B., 2004. Avaliação de parâmetros para detecção de acidose ruminal subclínica em rebanhos leiteiros. Vet. Res. Commun. 28 (8), 687–709. 

Zebeli Q., Dijkstra J., Tafaj M., Steingass H., Ametaj B. N., e Drochner W., 2008. Modelagem da adequação da fibra alimentar em vacas leiteiras com base nas respostas do pH ruminal e da produção de gordura do leite à composição da dieta. J. Dairy Sci. 91:2046–2066 

Plaizier JC1, Krause DO, Gozho GN, McBride BW. Acidose ruminal subaguda em vacas leiteiras: causas fisiológicas, incidência e consequências. Vet J. 2008 Abr;176(1):21-31. 

Aceto, H., Simeone, A.J., Fergusson, J.D., 2000. Efeito da rumenocentese na saúde e produtividade de vacas leiteiras. J. Anim. Sci. 78 (Suppl. 1) (Abstr. 162). 

Li, S., Gozho, G.N., Gakhar, N., Khafipour, E., Krause, D.O., Plaizier, J.C., 2012. Avaliação de medidas diagnósticas para acidose ruminal subaguda em vacas leiteiras. Can. J. Anim. Sci. 92 (3), 353–364. 

Gianesella, M., Massimo, M., Cannizzo, C., Annalisa, S., Paolo, D., Vanessa, M., Elisabetta, G., 2010. Acidose ruminal subaguda e avaliação da gasometria em vacas leiteiras, Veterinary Medicine International, 2010. 

Khafipour E., Krause D. O., e Plaizier J. C, 2009. Um desafio de acidose ruminal subaguda à base de grãos causa  translocação de lipopolissacarídeos e desencadeia inflamação. J. Dairy Sci. 92:1060–1070 

Li S., Khafipour E., Krause D. O., Kroeker A., Rodriguez-Lecompte J. C., Gozho G. N., Plaizier J. C., 2012. Um desafio de acidose ruminal subaguda à base de grãos causa translocação de lipopolissacarídeos e desencadeia inflamação. J. Dairy Sci. 95 :294–303 

Zebeli, Q., Merleta-Zebeli, B.U., 2012. Interação entre distúrbios digestivos do rúmen e inflamação induzida pela dieta em gado leiteiro. Res. Vet. Sci. 93 (3), 1099–1108 

Kröger, I., E. Humer, V. Neubauer, N. Reisinger, S. Aditya, e Q. Zebeli. 2017. Modulação do comportamento mastigatório e pH reticular em vacas não lactantes desafiadas com dietas ricas em concentrado suplementadas com compostos fitogênicos e levedura autolisada. J. Dairy Sci. 100:9702–9714. 

Humer E., Kröger I., Neubauer V., Schedle K., Reisinger N., e Zebeli Q., 2018. A suplementação de compostos fitogênicos ou levedura autolisada modula aminas biogênicas ruminais e metaboloma plasmático em vacas secas com acidose ruminal subaguda. J. Dairy Sci. 101:1–16. 

Humer E., Kröger I., Neubauer V., Reisinger N. e  Zebeli Q., 2019. Suplementação de um produto à base de argila mineral modula o perfil metabolômico plasmático e enzimas hepáticas em bovinos alimentados com dietas ricas em grãos. Animal;13(6):1214-1223.  

Neubauer V., Petri R., Humer E., Kröger I., Mann E., Reisinger N., Wagner M., and Zebeli Q., 2018. Dietas ricas em grãos suplementadas com compostos fitogênicos ou levedura autolisada modulam a comunidade bacteriana ruminal e a fermentação em vacas secas. J. Dairy Sci. 500 a 1000(15)

Humer E., Petri R. M., Aschenbach J. R., Bradford B. J., Penner G. B., Tafaj M., Südekum K.-H.e Zebeli Q., 2018. Revisão convidada: Recomendações práticas de gerenciamento nutricional para mitigar o risco de acidose ruminal subaguda em gado de leite. J. Dairy Sci. 101:1–17. 

Soluções para acidose ruminal

  • Biomin® BioStabil

    Biomin® BioStabil é uma formulação de bactérias de ácido lático estrategicamente selecionadas para feno, silagem e preservação de forragem ideais. Biomin® BioStabil preserva a energia de sua silagem.

  • Levabon® Rumen E

    Levabon® Rumen E é um suplemento inovador de ração de levedura de cerveja para gado de leite e de corte, incluindo bezerros. Ele proporciona um efeito prebiótico aprimorado em comparação com as leveduras convencionais para proporcionar melhor produtividade.

  • CRINA®

    Nossas misturas específicas de componentes de óleos essenciais demonstraram ajudar a proporcionar um melhor equilíbrio da microflora intestinal.

  • CYLACTIN®

    Aumente a proporção de bactérias “boas” e você terá um intestino com melhor desempenho.

  • Biotronic®

    A linha Biotronic® de acidificantes avançados de última geração auxilia animais de produção modernos contra bactérias gram-negativas.

  • Digestarom®

    A linha de fitogênicos Digestarom® contém misturas exclusivas de ervas e especiarias, óleos essenciais e outros extratos de plantas para melhorar a palatabilidade e aceitação da ração, apoiar a digestão e o desempenho geral dos animais de produção.

  • Contaminação por micotoxinas

    Nosso portfólio de ferramentas ajuda a entender os riscos potenciais das micotoxinas para as espécies animais e para o local.

  • FUMzyme® Silage

    FUMzyme® Silage é um aditivo exclusivo pulverizado no milho na safra que tem como objetivo desintoxicar fumonisinas nocivas, de modo que a silagem resultante seja segura e livre de fumonisinas para a nutrição dos animais de produção.

  • Mycofix®

    O portfólio de atividades alimentares da Mycofix® representa a mais recente solução de ponta para proteção da saúde animal desativando as micotoxinas que contaminam o alimento dos animais de produção. Sua segurança e eficácia são comprovadas por sete autoridades da UE para substâncias que desativam micotoxinas.

  • Mycofix® Plus 5.Z

    Proteção absoluta contra a mais ampla variedade de micotoxinas. Com ZENzyme® mais rápido e melhor

  • FUMzyme® sol

    FUMzyme®, a única enzima que eficazmente desintoxica as fumonisinas de modo seguro e irreversível, está disponível para a aplicação pós-peleteira e líquida na alimentação animal. Dos criadores da Mycofix®. Naturalmente adiante.

  • Previsão de micotoxina

    O serviço de previsão de micotoxina fornece avaliações de níveis de micotoxina esperados na próxima colheita de milho e trigo por todo o mundo.

  • Detecção de Micotoxina

    Oferecemos uma ampla variedade de serviços de análise para os consumidores avaliarem a contaminação por micotoxinas em materiais de ração.

  • Pesquisa de Micotoxina BIOMIN

    A Pesquisa de Micotoxina BIOMIN constitui o conjunto de dados mais antigo e mais abrangente sobre a ocorrência de micotoxina. Os resultados da pesquisa fornecem informações sobre a incidência das seis principais micotoxinas nas mercadorias agrícolas usadas na alimentação de animais de produção.

Share

Share