Salmonela

Espécies selecionadas

NOSSA AMBIÇÃO

Tratamento e prevenção da salmonela em aves.

A salmonela  é um patógeno entérico que pode infectar quase todos os animais, incluindo humanos. A salmonelose em aves é causada pela bactéria gram-negativa do gênero  salmonela. Existem apenas duas espécies desse gênero, entérica e bongori (Lin-Hui e Cheng-Hsun, 2007), mas quase 2.700 serótipos (sorovares), dos quais cerca de 10% foram isoladas de aves.  

Em geral, a maioria dos serótipos de salmonela  podem infectar diversas espécies de animal (Gast, 2008), tais como Salmonella Typhimurium e Salmonella Enteritidis

Segurança alimentar e salmonela em aves

A carne e os ovos de aves são as fontes mais comuns de infecções por salmonela (salmonelose) em humanos. Salmonelose é uma das doenças mais difíceis de controlar em rebanhos de aves. Como a maioria das espécies animais pode ser infectada com a salmonela, a infecção cruzada é muito comum entre as aves.  Além do mais, as aves podem estar infectadas com salmonela sem mostrarem quaisquer sinais da doença. 

Aditivos alimentares podem combater a ocorrência de salmonela em aves ajudando a saúde e a função imunológica do intestino.

Prevalência de salmonela em aves comerciais

Os serótipos mais comuns de  salmonela  nas galinhas, perus e patos comerciais são:

  • - S. Gallinarum 
  • - S. Typhimurium 
  • - S. Enteritidis 
  • - S. Heidelberg  
  • - S. Montevideo
  • - S. Infantis  
  • - S. Mbandaka  
  • - S. Kentucky  
  • - S. Javiana  
  • - S. Newport 

Em 2018, a União Europeia emitiu um relatório com dados sobre surtos de salmonela em frangos de corte e poedeiras durante 2016. A Salmonella Infantis foi o sorovar mais relatado em rebanhos de frangos de corte, e a Salmonella Enteritidis em rebanhos de poedeiras (EFSA 2016).

A prevalência pode variar entre países e entre regiões de um mesmo país. 

Figura 1. Surto de sorovares de salmonela em rebanhos frangos de corte, UE MSs, 2016 (N = 1,707) | Fonte: EFSA 2016

Figura 2. Surto de sorovares de salmonela em rebanhos de galinhas poedeiras, UE MSs, 2016 (N = 1,194) | Fonte: EFSA 2016

Complexidade e controle

Além do grande número de serótipos, o gênero salmonela apresenta uma grande variabilidade entre os serótipos. Algumas são mais adaptadas ao intestino e não vão além dele, outras podem entrar na corrente sanguínea e ter a capacidade de colonizar o fígado e o baço. Algumas sobrevivem mais tempo no ambiente, outras, não. A maioria das espécies animais pode ser infectada com salmonela. Portanto a infecção cruzada é muito comum entre aves.  

Essas e outras características gerais da salmonela tornam seu controle difícil. O controle exige muito conhecimento e investimentos. Temos que estabelecer um programa, e não apenas um procedimento único. A salmonelose não é a única doença aviária devastadora, mas é uma das mais difíceis (agente) de controlar. A principal razão é a grande variedade de serótipos e a epidemiologia muito complexa desse micro-organismo. 

Para explorar as alternativas de controle da salmonela em frangos, temos que dividi-las em dois grupos: Tifoide e paratifoide. 

Grupo Serótipos

Grupo tifoide 

Salmonella gallinarum 
Salmonella pullorum 

Grupo paratifoide 

Todos os outros serótipos 

Tabela 3. Grupos e serótipos de salmonela 

O grupo tifoide inclui dois membros: Salmonella gallinarum e Salmonella pullorum. O grupo paratifoide contém todos os outros serótipos de Salmonella.  

Para o controle da infecção tifoide em aves, precisamos nos concentrar em uma boa biossegurança, manejo completo do rebanho e, eventualmente, uso de vacina (se disponível). Em caso de surtos, o procedimento de erradicação é caro, mas no final é mais eficiente e os resultados são mais econômicos. Quando feito adequadamente e com biossegurança, funciona muito bem. Atualmente, em um mercado global, criar aves livres de salmonela  tifoide é essencial para os produtores de frangos de corte que desejam permanecer competitivos.  

As dificuldades para controlar a salmonela  são maiores. Não há um procedimento único que garanta que um rebanho positivo se torne negativo. Além disso, um rebanho negativo pode se tornar infectado devido a uma variedade de vetores de contaminação. A biossegurança rigorosa pode minimizar as chances de salmonela, mas não pode garantir controle absoluto. É importante lembrar que nem todas as salmonelas são iguais: algumas respondem a um certo produto ou estratégia de tratamento melhor do que as outras. Devemos estar atentos sobre qual funciona melhor com o serótipo com o qual estamos lidando para obter os melhores resultados.  

Grupo tifoide: Salmonella gallinarum e Salmonella pullorum

Esse grupo é representado por apenas dois serótipos. Salmonella gallinarum e Salmonella pullorum, agentes causadores da tifoide aviária e da doença pulmonar, respectivamente, são específicos de aves e encontrados principalmente em galinhas e perus. 

Entre os 2.700 serótipos, apenas esses dois podem causar uma alta taxa de mortalidade nas aves. Eles podem ser transmitidos tanto horizontalmente dentro de um rebanho quanto verticalmente, de geração para geração. Uma vez que o rebanho está infectado, os sobreviventes serão portadores para sempre (Shivaprasad and Barrow, 2008). Devido a essas características, a indústria mundial de carne aviária comercial usa a erradicação como um procedimento de controle padrão. 

Uma empresa ou produtor que tem reprodutores ou rebanhos de frangos de corte positivos tem grande dificuldade em competir economicamente com outras empresas ou produtores livres de salmonela tifoide. Levando isso em consideração, em caso de surto, a erradicação passa a ser a regra. O uso de antibióticos pode ser uma estratégia para reduzir a mortalidade em reprodutores, poedeiras e frangos de corte, mas o rebanho permanece positivo e se torna uma fonte de infecção para outros rebanhos. É importante considerar que o procedimento de erradicação funciona bem para controlar surtos de Salmonella gallinarum/Salmonella pullorum, mas precisa ser seguido de bons procedimentos de biossegurança.

Combatendo a salmonela em aves

Ácidos orgânicos têm uma atividade antimicrobiana direta contra os patógenos tais como a salmonela. Eles podem também contribuir para a saúde do intestino indiretamente, melhorando a digestibilidade. Isso significa que menos alimento não digerido alcança a parte inferior do intestino, onde pode alimentar bactérias oportunistas, encorajando a proliferação de patógenos.

Biotronic® Top3 é um aditivo alimentar formulado para controlar as bactérias gram-negativas nos sistemas de produção aviária (bactérias que causam infecções incluindo pneumonia, infecções na corrente sanguínea, infecções de feridas e meningite).

Biotronic® Top3 é um produto em pó cujos ingredientes ativos são liberados sequencialmente, começando na ração e depois por meio do trato intestinal, a fim de proporcionar os melhores resultados. Ele inclui ácidos orgânicos, cinamaldeído e Complexo Permeabilizante BIOMIN® (BIOMIN® Permeabilizing Complex™).  Adicionar Biotronic® Top3 às dietas dos frangos reduz o número total de salmonela enquanto cria um ambiente favorável à proliferação de bactérias benéficas. Ele pode ser adicionado diretamente na ração composta e não tem efeitos colaterais negativos nem tempo de retirada.

Biossegurança e fontes de contaminação

Pelo fato de a Salmonella gallinarum/Salmonella pullorum ser encontrada principalmente em galinhas e perus, evitar o contato com essas aves fora da fazenda é a chave para a prevenção.

A boa biossegurança é essencial para evitar que a infecção chegue às fazendas. De acordo com nossa experiência, humanos enquanto transportadores são a principal fonte de infecção tifoide, e as galinhas de quintal são o principal reservatório dessas bactérias. Na maior parte do tempo, os empregados são os que têm contato com as galinhas infectadas e introduzem a infecção em um rebanho limpo. Um programa de biossegurança abrangente cobrirá todas as fontes potenciais de contaminação de aves.

Figura 4. Fontes de contaminação de aves | Fonte: BIOMIN®

Vacinação

Uma vacina chamada 9R, usada para infecção tifoide, está disponível no mundo todo. É uma cepa bruta de Salmonella Gallinarum (Shivaprasad and Barrow, 2008), mas na maioria dos países não é permitida em frangos de corte, pois interfere no monitoramento sorológico da carne do frango. Se usada, protegerá apenas contra Salmonella gallinarum e Salmonella pullorum.

Salmonella gallinarum na produção de ovos

Em caso de galinhas poedeiras (ovos), a frequência da infecção tifoide, principalmente causada pela Salmonella gallinarum, é muito mais alta mundialmente quando comparada com rebanhos de frangos de corte. O principal motivo é a falta de biossegurança. A maioria dos aviários possui várias idades, o que não permite uma gestão integral, comprometendo a biossegurança.  

Uma vez que a infecção esteja instalada, torna-se impossível de erradicar, a menos que toda a fazenda seja limpa. Por esse motivo, a maioria dos rebanhos de poedeiras são vacinados com 9R. A vacina evita a alta mortalidade e reduz a produção de ovos, mas a infecção pode ainda ocorrer.

Grupo paratifoide

Esse grupo é representado por todas as outras espécies de salmonela, exceto as duas do grupo da febre tifoide. Como regra geral, os tipos paratifoides não causam mortalidade nas aves e não interferem no desempenho.  

O principal motivo para estabelecer um programa de controle é reduzir ou evitar a infecção humana pelo consumo de carne e ovos contaminados. As estratégias de controle são muito mais complexas do que para o grupo tifoide.  

Os principais fatores que acrescentam complexidade às estratégias de controle da salmonela tifoide:  

  • uma variedade de animais incluindo mamíferos podem ser uma fonte de infecção cruzada em aves 
  • as bactérias estão disseminadas na natureza e são capazes de sobreviver semanas ou meses. 
  • Uma vez que um rebanho esteja contaminado, a quantidade de salmonela pode ser reduzida, mas não completamente eliminada 
  • Um único rebanho pode estar contaminado com mais de um tipo de serótipo  
  • Os benefícios limitados do uso da vacina se devem à existência mínima ou nenhuma proteção entre os diferentes serótipos (vacina para S. enteritidis não protege contra S. typhimurium
  • O tratamento com antibióticos pode reduzir o número de bactérias excretadas mas não as elimina completamente 
  • Aves infectadas são assintomáticas e não apresentam sinais da doença 

Como resultado, o controle eficaz não pode ser baseado em um ou dois procedimentos. Ao contrário, toda a cadeia deve estar envolvida: reprodutores, incubadora, engorda, alimentação e planta de processamento. É importante destacar que a porta de entrada para a  salmonela paratifoide em um rebanho de frangos de corte é a mesma para os reprodutores.

Programa de controle de salmonela

Portanto, o desafio de estabelecer um programa de controle de salmonela é considerar sua tão complexa epidemiologia e toda a cadeia produtiva envolvida.  

Estabelecer um programa de monitoramento e fazer a sorotipagem dos isolados é essencial para qualquer programa de controle. Uma vez que sabemos qual serótipo está circulando e onde está a fonte, podemos estabelecer um programa de controle. 

O programa tem que começar com o conhecimento do produto final, geralmente na planta de beneficiamento. Se a salmonela estiver presente, seu serótipo deve ser identificado. Uma vez que o serótipo é conhecido, temos que voltar para a cadeia (reprodutores, incubadora, engorda e alimentação), obter os isolados e serotipá-los para descobrir a fonte.  

Se o mesmo serótipo for encontrado nos reprodutores, então o foco de controle deve ser nos reprodutores. Se não encontrarmos salmonela em pintos de um dia, mas sim na ração, nossa ênfase para o controle deve estar na ração e não nos reprodutores.  

Às vezes, podemos identificar mais de uma fonte de infecção. Nesse caso, todas elas devem ser consideradas no programa de controle. As principais fontes de infecção e produtos/procedimentos disponíveis para o programa de controle na cadeia de produção aviária são mostradas abaixo. 

Reprodutores e controle da salmonela paratifoide

Caso os reprodutores sejam positivos para a salmonela paratifoide, é importante identificar a fonte da infecção: se veio dos avós ou foi adquirida na fazenda. Uma vez infectadas, as aves permanecerão infectadas e, nesse caso, o trabalho tem que ser feito nos níveis do promotor de crescimento (GP). Se a infecção foi adquirida na fazenda, então temos que reforçar a biossegurança, controle de roedores, limpeza e desinfecção, tempo de inatividade, contato com outros animais, visitantes, equipe de reparos e equipe de vacinação. Qualquer equipamento introduzido na fazenda tem o potencial de carregar a  salmonela. Em circunstâncias especiais, vacinas podem ser usadas em reprodutores. Probióticos podem ser usados nos primeiros dias ou após os períodos de medicação/estresse. Também podem ser usados produtos na ração (consulte a seção da fábrica de ração).

Rações e controle da salmonela paratifoide

A ração pode ser uma importante fonte de infecção por salmonela paratifoide (menos para a  salmonela tifoide). O ambiente da ração, ingredientes alimentares e alimentação fornecida devem ser monitorados quanto à salmonela, porque são uma fonte potencial (Jones, 2011). O processo de peletização da ração destrói a salmonela, mas a contaminação pode ocorrer durante o resfriamento e transporte do alimento.  

Subprodutos de origem animal são fontes comuns de Salmonella em uma ração, eles também devem ser monitorados e tratados se necessário. A soja também pode ser uma fonte de infecção. Já o milho, em menor grau.

A ração pode ser usada para fornecer os produtos contra a salmonela para os reprodutores, frangos e poedeiras, tais como: antimicrobianos, probióticos, ácidos orgânicos, mananoligossacarídeos (MOS), óleos essenciais e outros. Nem todos os produtos são iguais, mas a maioria deles pode contribuir para a redução da infecção por salmonela e deve ser usada adequadamente. 

Figura 5. Subprodutos de origem animal, soja e milho podem ser vetores de salmonela na ração

Incubadora e controle de salmonela

O gerenciamento adequado, a limpeza e desinfecção da incubadora contribuem para limitar a incidência e a disseminação de salmonela. A contaminação cruzada pode ocorrer, principalmente quando existir uma mistura de aves de rebanhos positivos e negativos.

Se separarmos os ovos de um rebanho positivo, incubá-los e chocá-los separadamente, na maioria das vezes eles não contaminarão os pintos de rebanhos negativos. Quanto à salmonela tifoide, pintos chocados de um rebanho reprodutor serão positivos. Portanto, uma incubadora bem administrada pode evitar contaminação cruzada, mas não eliminará a salmonela de um rebanho positivo. Probióticos, antimicrobianos e eventualmente vacinas podem ser fornecidos na incubadora e ajudar o controle da salmonela de modo geral. 

Planta de processamento e controle da salmonela paratifoide

A planta de processamento pode ter um papel importante no controle da salmonela. Isso é verdade para países que permitem o uso de produtos químicos tal como o cloro durante o processamento e no refrigerador. Níveis de 5, 10 ou 20 ppm podem contribuir muito na redução da contaminação. Existem outros produtos químicos que podem ser usados e que também são eficazes. Existem países que permitem apenas um uso muito limitado de produtos químicos durante o processamento, o que não é eficaz no controle da contaminação por salmonela.  

Nesse caso, o foco para o controle deve ser feito antes de o frango chegar no abatedouro. Boa higiene, limpeza e desinfecção contribuem muito no controle da salmonela, portanto, não devem ser negligenciados. Existe uma ligação entre a planta de processamento e a engorda, que é o sistema de transporte, principalmente galinheiros ou gaiolas. A falta de boa desinfecção das gaiolas pode distribuir as bactérias de um rebanho positivo para um rebanho negativo no campo. Esse sistema requer atenção constante.

Engorda de frango e controle de salmonela

Para a salmonela tifoide, não há necessidade de muita intervenção na engorda para um rebanho positivo, a não ser tratamento com antibióticos. Devido à curta vida do frango, a infecção por Salmonella gallinarum/Salmonella pullorum vem quase sempre do reprodutor, e não do campo.  

Para a salmonela paratifoide, a infecção pode vir do reprodutor, mas também pode ocorrer durante o período de criação. Várias possíveis fontes de infecção são: rebanho anterior, ração fornecida, roedores e animais selvagens, galinhas de quintal, vizinhos, outros animais da fazenda, limpeza e desinfecção deficientes, descarte de aves, e humanos, como funcionários/visitantes (Vatche, 2011).  

Considerando que as portas de entrada são diversificadas, é necessário monitorá-las para entender onde as fontes principais são encontradas. Além disso, um curto tempo de inatividade (menos de duas semanas) e aumento na densidade de aves têm muita influência na presença e na persistência de  salmonela paratifoide. Quanto aos reprodutores, um bom procedimento de biossegurança desempenha um papel importante para evitar a entrada da salmonela. Se o jejum antes do abatimento e o tempo de transporte forem muito longos, a proliferação da salmonela também é favorecida. Antibióticos não são muito eficazes no controle da infecção por salmonela na engorda. Eles podem reduzir a infecção, mas assim que são suspensos a infecção pode retornar. Vários outros produtos como: probióticos, ácidos orgânicos, óleos essenciais, extrato de ervas, ácidos, mananoligossacarídeos e vacinas podem ser usados para reduzir/controlar a salmonela, mas eles têm que ser parte de um programa holístico que inclui a biossegurança. Devido à epidemiologia complexa, se forem usados sozinhos, o benefício máximo pode não ser alcançado. 

Desafios da redução da salmonela na indústria aviária apesar da resistência a antibióticos

Antibióticos têm sido usados eficazmente em aves por muitos anos, tanto como agentes terapêuticos quanto profiláticos, para estar em conformidade com o plano nacional de controle. O uso extensivo e incorreto de antimicrobianos tem aumentado drasticamente o surgimento e disseminação de bactérias resistentes (Sengupta et al., 2013).  

A Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar e o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças relatou que os níveis de resistência eram geralmente mais altos para Salmonella ssp. isolada em frangos do que em rebanhos de poedeiras. Isso sugere que galinhas poedeiras da Europa são provavelmente tratadas com antibióticos com menos frequência do que os frangos. 

No início de 2018, um relatório resumido da UE sobre resistência antimicrobiana em aves na Europa foi publicado, destacando níveis de moderado a alto de resistência da salmonela em  diversos antimicrobianos.  

Muitos estados membros europeus também detectaram salmonela resistente à colistina em aves. A terceira geração de cefalosporinas e a maioria das classes de fluoroquinolonas são criticamente importantes para tratar salmoneloses que representam risco de vida em humanos. O nível de resistência a essas duas importantes classes de antibióticos é descrito no mesmo relatório como baixa a muito baixa na Europa.  

A salmonela resistente a antibiótico isolada no nível da fazenda pode se espalhar para os humanos por contato direto ou carne contaminada (Dolejska et al., 2013). Desde a proibição dos promotores de crescimento de antibióticos em muitos países desenvolvidos, produtores de aves estão procurando alternativas para controlar as bactérias durante a produção. Aditivos alimentares com ácido orgânico são uma alternativa para os antibióticos (Adil et al., 2010), assim como aditivos alimentares contendo cinamaldeído (Demir et al., 2005).

A eficácia de ácidos orgânicos contra a salmonela

Biotronic® Top3 é um aditivo alimentar formulado para controlar bactérias gram-negativas nos sistemas de produção de aves. Ele contém vários ingredientes, tais como ácidos orgânicos, cinamaldeído e o BIOMIN® Permeabilizing Complex™, em um meio de liberação sequencial (transportador).   

Até pouco tempo atrás, o uso de ácidos orgânicos ou ácidos graxos de cadeia simples (single chain fatty acids, SCFA) se concentrava principalmente em sua eficácia fora do trato gastrointestinal. Um número crescente de estudos tem sido publicado com foco no uso de SCFA como apoiadores da saúde intestinal e como ferramentas preventivas para evitar a proliferação descontrolada da bactéria patogênica.  

O modo exato de ação dos SCFA como promotores do desempenho intestinal ainda não está claro. No entanto, foi demonstrado que os ácidos orgânicos têm uma atividade antimicrobiana direta contra patógenos como a E. coli e a salmonela, e podem contribuir com a saúde intestinal indiretamente, melhorando a digestibilidade. Isso garante uma adequada digestão alimentar, significando que menos alimento não digerido chega à parte inferior do intestino, onde poderia alimentar bactérias oportunistas, levando à proliferação do patógeno. 

Geralmente, a adição de Biotronic® Top3 à dieta de frangos reduz o número total de E. coli e salmonela , enquanto cria um ambiente favorável à proliferação de bactérias benéficas (Figura 4). 

Prevenção contra a colonização intestinal por Salmonella Enteritidis Biotronic® Top3

Em um experimento realizado em cooperação com o Instituto Zooprofilattico Sperimentale della Lombardia e dell’Emilia Romagna (ISZLER – Itália), Biotronic® Top3 foi avaliado como uma ferramenta para prevenir a colonização intestinal por Salmonella Enteritidis  em frangos experimentalmente infectados. O particionamento do grupo está listado na Tabela 6.

Tabela 6. Particionamento do grupo e descrição da dieta 

Grupo Tratamento Número de animais
Controle Ração-padrão 20
Grupo 1 Ração-padrão + Biotronic® Top3 a 1,0 kg/T 20
Grupo 2 Ração-padrão + Biotronic® Top3 a 2,0 kg/T 20

Os animais foram alimentados com dieta de controle sem nenhum aditivo ou a mesma dieta suplementada com 1 ou 2 kg/ton. de Biotronic® Top3. a,b Meios com diferentes sobrescritos diferem significativamente (P<0,05)

Dietas foram oferecidas do dia 1 ao dia 25 

Aos 15 dias de idade, todos os animais livres de patógenos específicos foram infectados via colírio com 1x105 CFU Salmonella Enteritidis, uma cepa de campo isolada na Itália. Aos cinco dias após a infecção, 10 animais foram sacrificados por grupo e o ceco foi submetido a análise bacteriológica para a descoberta de Salmonella Enteritidis.  

Os resultados são mostrados na Figura 8, e indicam claramente que nos dois grupos de tratamento as contagens de  S. enteritidis  foram significativamente reduzidas nos dias 5 e 10 após a infecção. Convertendo a redução logarítmica em porcentagens, ambos os grupos do experimento tiveram contagem de salmonela entre 50% e 70% mais baixas em relação ao grupo controle. 

Figura 7. Contagens de Salmonella Enteritidis (logCFU/g) no conteúdo do intestino seco dos frangos nos dias 5 e 10 após a infecção. Fonte: BIOMIN®

Figura 8. Contagens bacterianas (logCFU/g) na microbiota do ceco em frangos aos 42 dias.
Os animais foram alimentados com dieta controle sem adição de nenhum aditivo (cinza) ou a mesma dieta suplementada com 1 ou 2 kg/ton. de Biotronic® Top3. a,b Médias com diferentes sobrescritos diferem significativamente (P<0.05). Fonte: BIOMIN®

Soluções para a salmonelose

  • Balancius®

    Juntas, a DSM e a Novozymes criaram o Balancius®, o primeiro e único ingrediente de ração desenvolvido para liberar o potencial oculto da funcionalidade gastrointestinal.

  • PoultryStar®

    PoultryStar® é um probiótico e prebiótico (simbiótico) bem-definido para várias espécies de aves que promove uma microflora intestinal benéfica e melhora os resultados de frangos de corte, poedeiras e matrizes.

  • CRINA®

    Nossas misturas específicas de componentes de óleos essenciais demonstraram ajudar a proporcionar um melhor equilíbrio da microflora intestinal.

  • CYLACTIN®

    Aumente a proporção de bactérias “boas” e você terá um intestino com melhor desempenho.

  • DHAgold™

    Com o DHAgold™, trazemos a você uma fonte sustentável de ácido docosahexaenoico para enriquecer aves, suínos e aquáticos.

  • Biotronic®

    A linha Biotronic® de acidificantes avançados de última geração auxilia animais de produção modernos contra bactérias gram-negativas.

  • BIOMIN® CleanGrain Plus

    BIOMIN® CleanGrain Plus é uma mistura exclusiva de ácidos e sais orgânicos criada para proteger contra a deterioração de grãos e subprodutos causados por bolores, leveduras e bactérias.

  • Digestarom® DC Power

    Digestarom® DC Power é um aditivo alimentar fitogênico de última geração, misturado em pré-misturas, ração mineral ou ração acabada, utilizado para auxiliar a ingestão de ração animal e para auxiliar a digestão e a conversão alimentar. O conversor de alimentação.

  • Digestarom®

    A linha de fitogênicos Digestarom® contém misturas exclusivas de ervas e especiarias, óleos essenciais e outros extratos de plantas para melhorar a palatabilidade e aceitação da ração, apoiar a digestão e o desempenho geral dos animais de produção.

  • Symphiome™

    Symphiome™ é uma mistura complexa de glicanos, tecnicamente definida como um Biótico de Precisão*. O primeiro modulador metabólico de microbioma de seu tipo, formulado precisamente para utilizar o poder do microbioma pela modulação de vias funcionais específicas e altamente preservadas, para melhorar a saúde nutricional e o desempenho das aves. seu modo de ação exclusivo coloca o produto em sua própria categoria de Moduladores Metabólico de Microbioma.

NOSSA AMBIÇÃO

Diagnóstico de salmonela e controle de salmonela em fazendas de porcos

A salmonela é um patógeno entérico que pode infectar quase todos os animais e humanos. Ela é um dos maiores riscos à segurança alimentar para os humanos. Após um grande esforço no setor aviário para controlar o patógeno gram-negativo, a  salmonela em porcos se tornou uma preocupação importante.

Salmonela em porcos

Os porcos podem se tornar infectados e agirem como reservatórios de salmonela. A salmonelose em suínos é causada pela bactéria gram-negativa do gênero  Salmonella. A fim de garantir um alto nível de desempenho dos suínos, os produtores devem prestar muita atenção ao gerenciamento da fazenda com foco em: prevenção da salmonela aplicando biossegurança externa para evitar que o bacilo entre na fazenda, além de biossegurança interna para evitar que o bacilo se espalhe quando já presente na fazenda.

Ocorrência de salmonela em porcos

A salmonela  é capaz de sobreviver pelo menos seis anos ou mais no ambiente (Funk et al., 2008). Portanto, a prática relacionada à biossegurança é altamente relevante para reduzir o risco de  salmonela  em fazendas de suínos. Existe uma associação entre estação e/ou temperatura ambiental e a prevalência de  salmonela  entre os suínos na fase de terminação (Christensen and Rudemo 1998, Funk et al., 2001). De acordo com Rajic et al. (2007) porcos alimentados com rações peletizadas estavam em maior risco de salmonela em comparação com os alimentados com ração farelada.

Os serótipos de salmonela mais frequentemente isolados em porcos (Lowell and Barrow, 1999; Astorga et al., 2007) são:

  • - S. Typhimurium
  • - S. Choleraesuis
  • - S. Derby
  • - S. Brandenburg
  • - S. Bovismorbificans
  • - S. Newport
  • - S. Bredeney
  • - S. Anatum
  • - S. Hadar
  • - S. Goldcoast

Segurança alimentar e salmonela em suínos

Embora o setor aviário tenha feito grandes avanços no controle da salmonela em rebanhos de aves, a ocorrência desse patógeno em suínos tem agora se tornado uma importante preocupação.

A salmonela é capaz de sobreviver pelo menos seis anos ou mais no ambiente externo.  O controle eficaz da salmonela nas fazendas requer medidas de biossegurança consistentes para impedir a entrada e disseminação de salmonela. É essencial realizar testes e observação regular dos pontos críticos da cadeia de produção.

Doenças induzidas pela salmonela podem ocorrer em qualquer estágio da produção suína, mas os leitões são mais sensíveis ao patógeno. Em porcas, a salmonela, às vezes, pode causar doenças clínicas tais como febre, depressão, septicemia, pneumonia, meningite, artrite e diarreia. O período de desmame é o período de mais alto risco para a excreção da salmonela. 

Leitões desmamados

Doenças induzidas por salmonela podem ocorrer em qualquer estágio da produção suína, mas os leitões são mais sensíveis a ela. A ração composta dos animais jovens como leitões em desmame possuem alto conteúdo de proteínas e minerais (alto valor de vitamina B).

Dietas com alto valor de vitamina B aumentam o pH estomacal, o que quase compromete a função de barreira e diminui a digestibilidade, proporcionando um ambiente adequado para bactérias patogênicas. Baixos níveis de atividade de amilase e tripsina foram observadas no sistema digestivo imaturo dos leitões.

Outro fator de estresse que deve ser levado em consideração no caso de leitões em desmame é a redução da imunidade passiva e imunidade ativa menos desenvolvida. Estresses ambientais causados pelo agrupamento, mudança na dieta de leite de porca para ração sólida e desenvolvimento moderado do trato gastrointestinal (GIT) podem facilitar a ocorrência da doença por salmonela .

Porcas gestantes e lactantes

A salmonela spp. pode, às vezes, causar doenças clínicas em porcas, como febre, depressão, septicemia, pneumonia, meningite, artrite e diarreia. De acordo com Magistrali et al. (2011), porcas jovens são mais propensas a verter salmonela do que animais mais velhos.

O período de desmame é o período de mais alto risco para a excreção da salmonela. Diversos fatores podem explicar o aumento na excreção de  salmonela no pós-desmame, tais como os estresses ligados ao desmame e as reduções significativas de ração e água imediatamente após o desmame.

Porcos de engorda

Schultz et al. (2007) demonstrou que porcos de 10 a 12 semanas de idade sob o estresse por frio e em idade de comercialização que estão no estresse do cio (18 a 22 semanas de idade) correm um risco mais alto de infecção por salmonela . Reduzindo as bactérias gram-negativas do alimento e GIT, a conversão alimentar e o ganho médio de peso diário (AWDG) são melhorados.

Controle

O controle de salmonela na fazenda é uma questão importante que está ligada diretamente aos limites regulatórios no abate e a segurança alimentar. O controle eficaz da salmonela nas fazendas é baseado na prevenção de entrada e disseminação da salmonela em uma fazenda por meio de biossegurança eficaz.

Testes e observação regulares dos pontos críticos da cadeia de produção são necessários para impedir a ocorrência e contaminação por salmonela .

Galinheiros

Deve haver monitoramento adequado da salmonela e controle nas fazendas de criadores. O controle começa com a obtenção de animais jovens e saudáveis para a fazenda. Na chegada, os leitões devem estar livres de salmonela. Amostras colhidas no equipamento de transporte e nas fezes devem ser levadas para determinar o status de salmonela.

Pontos de controle da salmonela

Os pontos de controle dasalmonela em fazendas de porcos incluem:

  • Galinheiros
  • Matérias-primas para rações e rações compostas
  • Água
  • Pragas
  • Ambiente da fazenda

Ração

Asalmonela spp. é um dos maiores perigos para a contaminação microbiana de animais da fazenda. As proteínas de origem animal e as farinhas de sementes oleaginosas são as principais fontes de risco entre as matérias-primas para alimentação animal, por meio das quais a salmonela pode ser introduzida na rações compostas industrializadas e nas fábricas de ração.

Regulamentos internacionais exigem que alimentos e rações sejam isentos de salmonela. São necessárias etapas apropriadas de controle e descontaminação do processo durante o processamento da ração para reduzir a contaminação da ração e evitar a disseminação da ração contaminada para os rebanhos.

Foi comprovado em experimentos que os animais podem se tornar infectados por consumirem ração contaminada por salmonela, que pode ser ainda levada para produtos de origem animal.

É importante verificar todas as matérias-primas, especialmente cereais e fontes de proteína, para ver se há contaminação por salmonela . As colônias desalmonela estão naturalmente distribuídas de modo desigual nas rações e portanto, a detecção e quantificação da salmonela podem ser difíceis. A amostragem de ração de diferentes lugares é necessária para obter a amostra de ração representativa para análise microbiana.

O tratamento da ração à base de calor é um meio comum de higienizar a ração. Porém, deve ser realizado de forma adequada para reduzir as contagens bacterianas, levando em consideração, em particular, a temperatura, a duração e as contagens bacterianas iniciais. Além do mais, o tratamento à base de calor não protege a ração da recontaminação durante o transporte e o armazenamento, conforme mostra a Figura 1.

Figura 1: Recontaminação da ração sem acidificante
Fonte: Israelsen et al., 1996

Água

A salmonela pode persistir e crescer em água dadas as condições certas. A diversidade e a concentração da salmonela aumenta com a subida de temperatura. Para um melhor controle da salmonela, um teste microbiológico da água é necessário, especialmente se a fonte de água for um poço ou um rio. A água potável para animais deve ter os mesmos padrões elevados que são adequados para o consumo humano. Os resultados das duas amostras dos pontos inicial e final do bebedouro, e a diferença entre eles, oferece uma imagem clara sobre se há necessidade de melhorias na qualidade da água.

Pragas

Já que todos os vertebrados são susceptíveis à infecção por salmonela, o contato com outras espécies pode representar risco de infecção para os animais. Pestes (animais de estimação, roedores, pássaros selvagens e outras espécie de vida selvagem foram indicados como fontes potenciais de salmonela. Foi reconhecido que moscas e abelhas também atuam como um reservatório potencial e vetores para a salmonela. Portanto, é importante garantir o controle adequado de vermes e pragas na fazenda.

Fezes

A salmonela é um componente comum na microflora intestinal dos animais e assim, pode ser encontrada nas fezes dos animais afetados. A poluição fecal é o principal culpado pela contaminação dos alimentos e água com salmonela.

Higiene e biossegurança da fazenda

A contaminação do ambiente de residência do alojamento de animais pode ser uma fonte de infecção por salmonela . Manter os prédios limpos e desinfetar os equipamentos agrícolas ajuda a minimizar o perigo de infecção.

Melhorar a higiene do pessoal da fazenda e o controle de visitantes são fatores importantes para reduzir o risco de salmonela. Lavagem e desinfecção das mãos, bem como limpeza de macacões e desinfecção de botas antes de entrar na cocheira estão associados com redução na prevalência de salmonela . O custo relativamente pequeno incorrido pode compensar uma diminuição da transferência de outros patógenos que prejudicam o desempenho.

As principais práticas que podem também reduzir/controlar a prevalência da salmonela  incluem:

  • Troca de roupas e botas antes de entrar ou sair da área dos porcos.
  • Protocolos de limpeza e desinfecção (instalação, comedouros e bebedouros).
  • Prática de fluxo de porcos (todos dentro/todos fora)
  • Padrões de bem-estar, tais como densidade e ventilação

Soluções

O uso de acidificantes ou ácidos orgânicos na ração ou na água potável pode reduzir o risco de salmonela nas fazendas de suínos. Pesquisas mostraram a relação direta entre o nível acídico e a prevalência de salmonela em porcos (Alborali et. al., 2012).

Os acidificantes exercem seu modo de ação não apenas nos compostos de ração, mas também no trato gastrointestinal (GIT). Assim, os efeitos dos ácidos orgânicos podem ser direcionados para três áreas diferentes: a alimentação, o GIT e o metabolismo intermediário, levando a melhores taxas de conversão alimentar (FCR), digestibilidade de nutrientes e redução de diarreia, taxas de morbidade e mortalidade (Figure 2).

Figura 2. Mecanismos dos ácidos orgânicos na alimentação, água, trato gastrointestinal e metabolismo intermediário.

Combate à salmonela em suínos

Usar acidificantes ou ácidos orgânicos na ração ou na água de beber pode reduzir o risco de salmonela em fazendas de suínos. Os acidificantes não agem apenas na ração composta, mas também no trato gastrointestinal.

O uso de ácidos orgânicos na ração ajuda a higiene ambiental protegendo as matérias-primas da ração e a ração composta contra a deterioração por micróbios e fungos. Além do mais, contribui para um bom gerenciamento da fazenda e interrompe a transmissão bacteriana na cadeia, do animal até o alimento.

O uso de ácidos na água de beber reduz os níveis de pH e a contagem bacteriana.

Biotronic® Top3 é um produto em pó cujos ingredientes ativos são liberados sequencialmente, começando na ração e depois por meio do trato intestinal, a fim de proporcionar os melhores resultados. Ele pode ser adicionado diretamente na ração composta e não tem efeitos colaterais negativos nem tempo de retirada.

Biotronic® SE é um acidificante alimentar criado para reduzir bactérias gram-negativas nos atuais animais de fazenda. Tem o objetivo de impedir a deterioração da ração composta, manter seu valor nutricional e aumentar sua validade.

Figura 3. Efeito da acidificação na redução da salmonela na ração

Acidificantes na ração

A adição de ácidos orgânicos provou contribuir para a higiene ambiental evitando que matérias-primas alimentares e compostos de ração deteriorem por micróbios ou fungos. Além do mais, contribui para o bom gerenciamento da fazenda e interrompe a transmissão bacteriana na cadeia “animal até a comida”.

Devido ao fato de que a ração tratada à base de calor pode ser recontaminada por salmonela, é recomendada a aplicação de um produto à base de ácido orgânico. Um experimento in vitro foi conduzido para determinar a eficácia do Biotronic® na contaminação da ração por salmonela  A ração foi artificialmente contaminada com um alto nível de Salmonella Enteritidis.

A atividade metabólica da salmonela é reduzida na ração seca, o que reduz sua taxa de replicação. A ração foi diluída em soro fisiológico e a contagem de células de salmonela  foi determinada logo após a contaminação, após uma hora e 2,5 horas de incubação sob condições ideais. Os resultados podem ser vistos na Figura 3. A replicação dasalmonela cresceu de modo constante em condições ótimas, enquanto o número de salmonela diminuiu no grupo contendo acidificante.

Uma estratégia abrangendo tratamentos à base de calor e antimicrobianos por exemplo, com ácidos orgânicos, é necessário para a redução da carga bacteriana e melhoria na higiene da ração.

Acidificantes na água

A acidificação da água pode ajudar a evitar a salmonela. A suplementação de ácidos na água de beber reduz o nível do pH e a contagem bacteriana. A redução do valor do pH na água cria condições desfavoráveis para uma proliferação potencialmente nociva de bactérias.

Dica: É importante saber o nível de pH da água ao determinar a dosagem certa de acidificantes na água de beber dos porcos.

Soluções BIOMIN para o controle da salmonela

Matérias-primas alimentares contaminadas com salmonela podem ser tratados com doses mais altas de Biotronic® SE forte (8 a 10 kg/t) e Biotronic® SE forte líquido (5 a 10 l/1.000 l).

Não é recomendável incluir ao mesmo tempo acidificante e vacina na água. Além disso, evite o uso de certos antibióticos β-lactâmicos em água acidificada. O nível de inclusão de Biotronic® SE forte líquido depende do pH inicial da água.

Níveis recomendados de aplicação do produto para o controle da salmonela em alimentos sólidos e líquidos, água e o GIT
Problema Porcas Porcos em desmame Porcos de engorda
Higiene da ração

Biotronic® SE forte

Biotronic® SE forte líquido 

1 a 3 kg/t

1 a 3 l/t

Biotronic® SE forte

Biotronic® SE forte líquido

3 a 5 kg/t

1 a 3 l/t

Biotronic® SE forte

Biotronic® SE forte líquido

1 a 3 kg/t

1 a 3 l/t

Higiene da ração líquida

Biotronic® SE forte líquido

1 a 2 l/1.000 l de ração

Biotronic® SE forte líquido

1 a 2 l/1.000 l de ração

Biotronic® SE forte líquido

1 a 2 l/1.000 l de ração

Saúde GIT

Biotronic® Top3

1 a 2 kg/t

Biotronic® Top3

1 a 2 kg/t

Biotronic® Top3

1 a 2 kg/t

Combinação para cobrir a higiene alimentar e a saúde GIT

Biotronic® SE forte

Biotronic® Top3

1 kg/t

1 kg/t

Biotronic® SE forte

Biotronic® Top3

1 kg/t

1 a 1,5 kg/t

Biotronic® SE forte

Biotronic® Top3

1 kg/t

1 kg/t

 

Combinação para cobrir a higiene da água e a saúde GIT

Biotronic® SE forte líquido

Biotronic® Top3

1 l/1.000 l de água

1 kg/t

Biotronic® SE forte líquido

Biotronic® Top3

1 l/1.000 l de água

1 a 1,5 kg/t

Biotronic® SE forte líquido

Biotronic® Top3

1 l/1.000 l de água

1 kg/t

Tabela 1. Níveis recomendados de aplicação do produto para o controle da salmonela em alimentos sólidos e líquidos, água e o GIT

Soluções para a salmonelose

  • PureGro™

    Reduzir o odor das unidades de suínos certamente deixará todos mais felizes: os animais, os trabalhadores e até os vizinhos! Desenvolvemos uma maneira eficaz de fazer isso.

  • CRINA®

    Nossas misturas específicas de componentes de óleos essenciais demonstraram ajudar a proporcionar um melhor equilíbrio da microflora intestinal.

  • Biotronic®

    A linha Biotronic® de acidificantes avançados de última geração auxilia animais de produção modernos contra bactérias gram-negativas.

  • BIOMIN® CleanGrain Plus

    BIOMIN® CleanGrain Plus é uma mistura exclusiva de ácidos e sais orgânicos criada para proteger contra a deterioração de grãos e subprodutos causados por bolores, leveduras e bactérias.

  • Digestarom® DC Power

    Digestarom® DC Power é um aditivo alimentar fitogênico de última geração, misturado em pré-misturas, ração mineral ou ração acabada, utilizado para auxiliar a ingestão de ração animal e para auxiliar a digestão e a conversão alimentar. O conversor de alimentação.

  • Digestarom®

    A linha de fitogênicos Digestarom® contém misturas exclusivas de ervas e especiarias, óleos essenciais e outros extratos de plantas para melhorar a palatabilidade e aceitação da ração, apoiar a digestão e o desempenho geral dos animais de produção.

  • CYLACTIN®

    Aumente a proporção de bactérias “boas” e você terá um intestino com melhor desempenho.

  • VevoVitall®

    O VevoVitall® é uma fonte ultrapura de ácido benzoico e é um excelente conservante de ração.

NOSSA AMBIÇÃO

Controle eficaz da salmonela

A salmonela é um perigo significativo à segurança alimentar para humanos e um importante desafio para a indústria de produção animal. Capaz de infectar quase todas as espécies animais, a salmonela é um grupo variado de bactérias que habitam o trato intestinal dos animais e das aves. A infecção por salmonela em humanos é geralmente causada pela ingestão de carne crua ou mal cozida, aves, ovos ou produtos derivados de ovos. A maioria das infecções por salmonela pode ser classificada como infecção intestinal (gastroenterite) e é considerada intoxicação alimentar.

Segurança alimentar e salmonela em aves

Os porcos podem se tornar infectados e agirem como reservatórios de salmonela. A salmonelose em suínos é causada pela bactéria gram-negativa do gênero  Salmonella. A fim de garantir um alto nível de desempenho dos suínos, os produtores devem prestar muita atenção ao gerenciamento da fazenda com foco em: prevenção da salmonela aplicando biossegurança externa para evitar que o bacilo entre na fazenda, além de biossegurança interna para evitar que o bacilo se espalhe quando já presente na fazenda.

Ocorrência de salmonela em porcos

A salmonela  é capaz de sobreviver pelo menos 6 anos ou mais no ambiente (Funk et al., 2008). Portanto, a prática relacionada à biossegurança é altamente relevante para reduzir o risco de  salmonela  em fazendas de suínos. Existe uma associação entre estação e/ou temperatura ambiental e a prevalência de  salmonela  entre os suínos na fase de terminação (Christensen and Rudemo 1998, Funk et al., 2001). De acordo com Rajic et al. (2007) porcos alimentados com rações peletizadas estavam em maior risco de salmonela em comparação com os alimentados com ração farelada.

Os serótipos de salmonela mais frequentemente isolados em porcos (Lowell and Barrow, 1999; Astorga et al., 2007) são:

  • - S. Typhimurium
  • - S. Choleraesuis
  • - S. Derby
  • - S. Brandenburg
  • - S. Bovismorbificans
  • - S. Newport
  • - S. Bredeney
  • - S. Anatum
  • - S. Hadar
  • - S. Goldcoast

Leitões desmamados

Doenças induzidas por salmonela podem ocorrer em qualquer estágio da produção suína, mas os leitões são mais sensíveis a ela. A ração composta dos animais jovens como leitões em desmame possuem alto conteúdo de proteínas e minerais (alto valor de vitamina B).

Dietas com alto valor de vitamina B aumentam o pH estomacal, o que quase compromete a função de barreira e diminui a digestibilidade, proporcionando um ambiente adequado para bactérias patogênicas. Baixos níveis de atividade de amilase e tripsina foram observadas no sistema digestivo imaturo dos leitões.

Outro fator de estresse que deve ser levado em consideração no caso de leitões em desmame é a redução da imunidade passiva e imunidade ativa menos desenvolvida. Estresses ambientais causados pelo agrupamento, mudança na dieta de leite de porca para ração sólida e desenvolvimento moderado do trato gastrointestinal (GIT) podem facilitar a ocorrência da doença por salmonela .

Porcas gestantes e lactantes

A salmonela spp. pode, às vezes, causar doenças clínicas em porcas, como febre, depressão, septicemia, pneumonia, meningite, artrite e diarreia. De acordo com Magistrali et al. (2011), porcas jovens são mais propensas a verter salmonela do que animais mais velhos.

O período de desmame é o período de mais alto risco para a excreção da salmonela. Diversos fatores podem explicar o aumento na excreção de  salmonela no pós-desmame, tais como os estresses ligados ao desmame e as reduções significativas de ração e água imediatamente após o desmame.

Porcos de engorda

Schultz et al. (2007) demonstrou que porcos de 10 a 12 semanas de idade sob o estresse por frio e em idade de comercialização que estão no estresse do cio (18 a 22 semanas de idade) correm um risco mais alto de infecção por salmonela . Reduzindo as bactérias gram-negativas do alimento e GIT, a conversão alimentar e o ganho médio de peso diário (AWDG) são melhorados.

Controle

O controle de salmonela na fazenda é uma questão importante que está ligada diretamente aos limites regulatórios no abate e a segurança alimentar. O controle eficaz da salmonela nas fazendas é baseado na prevenção de entrada e disseminação da salmonela em uma fazenda por meio de biossegurança eficaz.

Testes e observação regulares dos pontos críticos da cadeia de produção são necessários para impedir a ocorrência e contaminação por salmonela .

Pontos de controle da salmonela

Os pontos de controle dasalmonela em fazendas de porcos incluem:

  • Galinheiros
  • Matérias-primas para rações e rações compostas
  • Água
  • Pragas
  • Ambiente da fazenda

Galinheiros

Deve haver monitoramento adequado da salmonela e controle nas fazendas de criadores. O controle começa com a obtenção de animais jovens e saudáveis para a fazenda. Na chegada, os leitões devem estar livres de salmonela. Amostras colhidas no equipamento de transporte e nas fezes devem ser levadas para determinar o status de salmonela.

Ração

Asalmonela spp. é um dos maiores perigos para a contaminação microbiana de animais da fazenda. As proteínas de origem animal e as farinhas de sementes oleaginosas são as principais fontes de risco entre as matérias-primas para alimentação animal, por meio das quais a salmonela pode ser introduzida na rações compostas industrializadas e nas fábricas de ração.

Regulamentos internacionais exigem que alimentos e rações sejam isentos de salmonela. São necessárias etapas apropriadas de controle e descontaminação do processo durante o processamento da ração para reduzir a contaminação da ração e evitar a disseminação da ração contaminada para os rebanhos.

Foi comprovado em experimentos que os animais podem se tornar infectados por consumirem ração contaminada por salmonela, que pode ser ainda levada para produtos de origem animal.

É importante verificar todas as matérias-primas, especialmente cereais e fontes de proteína, para ver se há contaminação por salmonela . As colônias desalmonela estão naturalmente distribuídas de modo desigual nas rações e portanto, a detecção e a quantificação da salmonela podem ser difíceis. A amostragem de ração de diferentes lugares é necessária para obter a amostra de ração representativa para análise microbiana.

O tratamento da ração à base de calor é um meio comum de higienizar a ração. Porém, deve ser realizado de forma adequada para reduzir as contagens bacterianas, levando em consideração, em particular, a temperatura, a duração e as contagens bacterianas iniciais. Além do mais, o tratamento à base de calor não protege a ração da recontaminação durante o transporte e o armazenamento, conforme mostra a Figura 1.

Figura 1: Recontaminação da ração sem acidificante
Fonte: Israelsen et al., 1996

Água

A salmonela pode persistir e crescer em água dadas as condições certas. A diversidade e a concentração da salmonela aumenta com a subida de temperatura. Para um melhor controle da salmonela, um teste microbiológico da água é necessário, especialmente se a fonte de água for um poço ou um rio. A água potável para animais deve ter os mesmos padrões elevados que são adequados para o consumo humano. Os resultados das duas amostras dos pontos inicial e final do bebedouro, e a diferença entre eles, oferece uma imagem clara sobre se há necessidade de melhorias na qualidade da água.

Pragas

Já que todos os vertebrados são susceptíveis à infecção por salmonela, o contato com outras espécies pode representar risco de infecção para os animais. Pestes (animais de estimação, roedores, pássaros selvagens e outras espécie de vida selvagem foram indicados como fontes potenciais de salmonela. Foi reconhecido que moscas e abelhas também atuam como um reservatório potencial e vetores para a salmonela. Portanto, é importante garantir o controle adequado de vermes e pragas na fazenda.

Fezes

A salmonela é um componente comum na microflora intestinal dos animais e assim, pode ser encontrada nas fezes dos animais afetados. A poluição fecal é o principal culpado pela contaminação dos alimentos e água com salmonela.

Higiene e biossegurança da fazenda

A contaminação do ambiente de residência do alojamento de animais pode ser uma fonte de infecção por salmonela . Manter os prédios limpos e desinfetar os equipamentos agrícolas ajuda a minimizar o perigo de infecção.

Melhorar a higiene do pessoal da fazenda e o controle de visitantes são fatores importantes para reduzir o risco de salmonela. Lavagem e desinfecção das mãos, bem como limpeza de macacões e desinfecção de botas antes de entrar na cocheira estão associados com redução na prevalência de salmonela . O custo relativamente pequeno incorrido pode compensar uma diminuição da transferência de outros patógenos que prejudicam o desempenho.

As principais práticas que podem também reduzir/controlar a prevalência da salmonela  incluem:

  • Troca de roupas e botas antes de entrar ou sair da área dos porcos.
  • Protocolos de limpeza e desinfecção (instalação, comedouros e bebedouros).
  • Prática de fluxo de porcos (todos dentro/todos fora)
  • Padrões de bem-estar, tais como densidade e ventilação

Soluções

O uso de acidificantes ou ácidos orgânicos na ração ou na água potável pode reduzir o risco de salmonela nas fazendas de suínos. Pesquisas mostraram a relação direta entre o nível acídico e a prevalência de salmonela em porcos (Alborali et. al., 2012).

Os acidificantes exercem seu modo de ação não apenas nos compostos de ração, mas também no trato gastrointestinal (GIT). Assim, os efeitos dos ácidos orgânicos podem ser direcionados para três áreas diferentes: a alimentação, o GIT e o metabolismo intermediário, levando a melhores taxas de conversão alimentar (FCR), digestibilidade de nutrientes e redução de diarreia, taxas de morbidade e mortalidade (Figure 2).

Figura 2. Mecanismos dos ácidos orgânicos na alimentação, água, trato gastrointestinal e metabolismo intermediário.

Figura 3. Efeito da acidificação na redução da salmonela na ração

Acidificantes na ração

A adição de ácidos orgânicos provou contribuir para a higiene ambiental evitando que matérias-primas alimentares e compostos de ração deteriorem por micróbios ou fungos. Além do mais, contribui para o bom gerenciamento da fazenda e interrompe a transmissão bacteriana na cadeia “animal até a comida”.

Devido ao fato de que a ração tratada à base de calor pode ser recontaminada por salmonela, é recomendada a aplicação de um produto à base de ácido orgânico. Um experimento in vitro foi conduzido para determinar a eficácia do Biotronic® na contaminação da ração por salmonela  A ração foi artificialmente contaminada com um alto nível de Salmonella Enteritidis.

A atividade metabólica da salmonela é reduzida na ração seca, o que reduz sua taxa de replicação. A ração foi diluída em soro fisiológico e a contagem de células de salmonela  foi determinada logo após a contaminação, após uma hora e 2,5 horas de incubação sob condições ideais. Os resultados podem ser vistos na Figura 3. A replicação dasalmonela cresceu de modo constante em condições ótimas, enquanto o número de salmonela diminuiu no grupo contendo acidificante.

Uma estratégia abrangendo tratamentos à base de calor e antimicrobianos por exemplo, com ácidos orgânicos, é necessário para a redução da carga bacteriana e melhoria na higiene da ração.

Acidificantes na água

A acidificação da água pode ajudar a evitar a salmonela. A suplementação de ácidos na água de beber reduz o nível do pH e a contagem bacteriana. A redução do valor do pH na água cria condições desfavoráveis para uma proliferação potencialmente nociva de bactérias.

Dica: É importante saber o nível de pH da água ao determinar a dosagem certa de acidificantes na água de beber dos porcos.

Soluções BIOMIN® para o controle da salmonela

Matérias-primas alimentares contaminadas com salmonela podem ser tratados com doses mais altas de Biotronic® SE forte (8 a 10 kg/t) e Biotronic® SE forte líquido (5 a 10 l/1.000 l).

Não é recomendável incluir ao mesmo tempo acidificante e vacina na água. Além disso, evite o uso de certos antibióticos β-lactâmicos em água acidificada. O nível de inclusão de Biotronic® SE forte líquido depende do pH inicial da água.

Níveis recomendados de aplicação do produto para o controle da salmonela em alimentos sólidos e líquidos, água e o GIT
Problema Porcas Porcos em desmame Porcos de engorda
Higiene da ração

Biotronic® SE forte

Biotronic® SE forte líquido 

1 a 3 kg/t

1 a 3 l/t

Biotronic® SE forte

Biotronic® SE forte líquido

3 a 5 kg/t

1 a 3 l/t

Biotronic® SE forte

Biotronic® SE forte líquido

1 a 3 kg/t

1 a 3 l/t

Higiene da ração líquida

Biotronic® SE forte líquido

1 a 2 l/1.000 l de ração

Biotronic® SE forte líquido

1 a 2 l/1.000 l de ração

Biotronic® SE forte líquido

1 a 2 l/1.000 l de ração

Saúde GIT

Biotronic® Top3

1 a 2 kg/t

Biotronic® Top3

1 a 2 kg/t

Biotronic® Top3

1 a 2 kg/t

Combinação para cobrir a higiene alimentar e a saúde GIT

Biotronic® SE forte

Biotronic® Top3

1 kg/t

1 kg/t

Biotronic® SE forte

Biotronic® Top3

1 kg/t

1 a 1,5 kg/t

Biotronic® SE forte

Biotronic® Top3

1 kg/t

1 kg/t

 

Combinação para cobrir a higiene da água e a saúde GIT

Biotronic® SE forte líquido

Biotronic® Top3

1 l/1.000 l de água

1 kg/t

Biotronic® SE forte líquido

Biotronic® Top3

1 l/1.000 l de água

1 a 1,5 kg/t

Biotronic® SE forte líquido

Biotronic® Top3

1 l/1.000 l de água

1 kg/t

Tabela 1. Níveis recomendados de aplicação do produto para o controle da salmonela em alimentos sólidos e líquidos, água e o GIT

Soluções para a salmonelose

  • PureGro™

    Reduzir o odor das unidades de suínos certamente deixará todos mais felizes: os animais, os trabalhadores e até os vizinhos! Desenvolvemos uma maneira eficaz de fazer isso.

  • CRINA®

    Nossas misturas específicas de componentes de óleos essenciais demonstraram ajudar a proporcionar um melhor equilíbrio da microflora intestinal.

  • Biotronic®

    A linha Biotronic® de acidificantes avançados de última geração auxilia animais de produção modernos contra bactérias gram-negativas.

  • BIOMIN® CleanGrain Plus

    BIOMIN® CleanGrain Plus é uma mistura exclusiva de ácidos e sais orgânicos criada para proteger contra a deterioração de grãos e subprodutos causados por bolores, leveduras e bactérias.

  • Digestarom® DC Power

    Digestarom® DC Power é um aditivo alimentar fitogênico de última geração, misturado em pré-misturas, ração mineral ou ração acabada, utilizado para auxiliar a ingestão de ração animal e para auxiliar a digestão e a conversão alimentar. O conversor de alimentação.

  • Digestarom®

    A linha de fitogênicos Digestarom® contém misturas exclusivas de ervas e especiarias, óleos essenciais e outros extratos de plantas para melhorar a palatabilidade e aceitação da ração, apoiar a digestão e o desempenho geral dos animais de produção.

  • CYLACTIN®

    Aumente a proporção de bactérias “boas” e você terá um intestino com melhor desempenho.

  • VevoVitall®

    O VevoVitall® é uma fonte ultrapura de ácido benzoico e é um excelente conservante de ração.

Share

Share