Percepções de especialistas sobre as últimas evidências e efeitos das interações medicamentosas da vitamina D3

Por: Equipe Editorial da DSM Pharma Solutions

O cenário atual da vitamina D 

A pandemia da Covid-19 destacou a importância da vitamina D3 (ou colecalciferol) para a saúde imunológica. As evidências mostram que pessoas com quadros clínicos crônicos subjacentes têm maior risco de infecção por Covid-19. Eles também estão frequentemente usando vários medicamentos, e vários deles são conhecidos por interferir no metabolismo da vitamina D. 

A DSM recentemente realizou um webinar detalhando as consequências das interações medicamentosas com vitamina D3 e como a administração de vitamina D3 pode melhorar a ação farmacológica de alguns medicamentos. O evento refletiu em uma série de tópicos relevantes, como a importância da conscientização e conhecimento dos profissionais de saúde sobre quais tratamentos medicamentosos se beneficiariam da suplementação com vitamina D. O webinar foi realizado pela renomada especialista Dra. Diane L. McKey, diretora dos Programas de certificados de graduação on-line Friedman da Tufts University e professora assistente na Escola de Ciência e Políticas Nutricionais Friedman, na Faculdade de Medicina Tufts.

Por que o status da vitamina D adequado é importante

A vitamina D pode ser obtida da dieta ou por meio da síntese ativada por UV na pele. Ela está envolvida na regulação dos níveis de cálcio e fosfato no sangue, crescimento e manutenção óssea, diferenciação celular e expressão genética1. As causas da deficiência de vitamina D incluem exposição reduzida ao sol, pigmentação da pele, polimorfismos genéticos e/ ou ingestão inadequada. A deficiência de vitamina D é predominante em todo o mundo e preocupa um número considerável de pessoas. Usando uma definição de <20 ng/ml, até um terço da população mundial é deficiente, embora uma deficiência de vitamina D grave, definida como<12 ng/ml, seja observada em aproximadamente 7% da população mundialmente2.

Estudos epidemiológicos encontraram uma associação entre doenças autoimunes e níveis insuficientes de vitamina D3. Embora as diferenças possam ocorrer devido a fatores genéticos e de estilo de vida que não sejam os níveis de vitamina D, os dados vinculam níveis séricos mais baixos de vitamina D, aumentando a latitude e diminuindo a exposição à luz solar com maior prevalência de doenças inflamatórias autoimunes. A inflamação sistêmica relacionada à idade, chamada “inflamação”, é outra condição associada à depleção de vitamina D4. Essas correlações entre a inflamação e os níveis de vitamina D sugerem um papel promissor para a suplementação de vitamina D. 

Faça o download do nosso novo relatório  técnico para ler o potencial da vitamina D3 uma terapia adjuvante importante e segura.

Interações medicamentosas críticas da vitamina D3 

Vários medicamentos comumente prescritos têm um impacto negativo no status da vitamina D. Os medicamentos com maior probabilidade de afetar o estado ou as ações da vitamina D3 incluem aqueles usados para controlar a hiperlipidemia, artrite, diabetes, depressão, asma e DPOC5. A terapia com estatinas em hiperlipidêmica é central para o controle do colesterol e redução do risco de doença cardíaca coronariana e mortalidade relacionada. Infelizmente, os sintomas musculares induzidos por estatinas (statin-induced muscle symptoms, - SAMS) ocorrem em até 10% dos pacientes e são uma das causas mais comuns de não aderência e descontinuação de estatinas. A prevalência de SAMS está associada ao baixo status de vitamina D6. São necessários estudos controlados randomizados para estabelecer se a suplementação de vitamina D3 reduz o risco de mialgia associada à estatina.

Os medicamentos antidiabéticos tiazolidinedionas estão associados a fraturas e à baixa densidade mineral óssea (DMO), especialmente em mulheres. Foi relatado que a ingestão dietética de nutrientes críticos para a saúde óssea, incluindo vitamina D, é insuficiente em pacientes com T2DM em tratamento com antidiabéticos. O tratamento combinado de vitamina D3 e pioglitazona pode ser mais eficaz na melhora da DMO e do metabolismo ósseo do que a vitamina D ou a pioglitazona isoladamente em pacientes com nefropatia diabética tipo 2 (observa-se que pacientes com síndrome nefrótica são predispostos à doença óssea, que resulta de desequilíbrios do metabolismo de cálcio e vitamina D )7. A saúde óssea também demonstrou estar comprometida em pacientes que usam inibidores seletivos de recaptação de serotonina8.

Os corticosteroides são comumente usados para tratar artrite, asma, alergias e outras condições inflamatórias. Evidências indicam que a exposição a glicocorticoides (uma classe de corticosteroides) aumenta o risco de perda óssea e fraturas, e os corticosteroides são a principal causa de osteoporose secundária. A suplementação com cálcio e vitamina D3 tem um efeito significativo na redução do risco de fraturas não vertebrais e do quadril9, consistente com as diretrizes para a prevenção e tratamento da osteoporose induzida por glicocorticoides10. A redução dos níveis séricos de vitamina D está associada ao comprometimento da função pulmonar, aumento da resposta de hipersensibilidade das vias aéreas e redução da resposta dos corticosteroides. Alguns estudos de pacientes com asma sugerem que a suplementação com vitamina D pode melhorar a gravidade da asma e a resposta ao tratamento11

Dose recomendada para suplementação de vitamina D3

A suplementação com vitamina D pode desempenhar um papel importante na redução da probabilidade de efeitos adversos em pacientes que necessitam de tratamento de longo prazo para as doenças crônicas mencionadas acima. Apesar das muitas aplicações potencialmente benéficas para a suplementação com vitamina D, atualmente não há consenso internacional sobre a dosagem recomendada para a ingestão de vitamina D3 ,e valores de referência dietética em indivíduos saudáveis variam por país e por faixa etária12. Existem diferenças individuais no aumento resultante nos níveis de vitamina D, dependendo do nível sérico basal e exposição ao sol, duração do tratamento e contexto genético. Para elevar o nível sanguíneo de vitamina D consistentemente acima do nível suficiente de 75nmol/l, pode ser necessária uma ingestão de pelo menos 2.000 UI/dia em pacientes com risco de deficiência de vitamina D, de acordo com a Endocrine Society13. Pode haver necessidade de doses mais elevadas, de 10.000 a 50.000 UI/dia, para reabastecer a vitamina D em pacientes gravemente deficientes, o que precisa ser feito com monitoramento cuidadoso em um ambiente clínico14.

Incluindo suplementação de vitamina D3 no padrão de tratamento

A vitamina D3 é um importante nutriente, de preocupação mundial , na saúde pública, que afeta uma porção considerável da população. Níveis deficientes ou insuficientes de vitamina D circulante não ocorrem  apenas devido à baixa ingestão dietética ou à falta de exposição ao sol; o uso crônico ou de longo prazo de medicamentos prescritos para condições crônicas altamente prevalentes é um fator contribuinte importante, mas subestimado e sub-reconhecido, especialmente no contexto de uma população idosa. São necessários estudos de intervenção de alta qualidade para entender melhor a relevância e a importância clínica dessas interações entre medicamentos e nutrientes, assim como as diretrizes apropriadas para os médicos. 

Na opinião do Dr. McKay, os próximos passos para integrar a vitamina D3 a certas terapias devem ser a promoção da conscientização entre os profissionais de saúde e treinamento adequado dos estudantes de medicina sobre as necessidades nutricionais dos pacientes. Além disso, diretrizes para o tratamento de doenças crônicas que exigem uso a longo prazo de medicamentos que interferem no metabolismo da vitamina D3, em particular, as estatinas e corticosteroides, devem recomendar a suplementação de vitamina D3. Adultos idosos em casas de repouso ou em casas assistidas são uma excelente oportunidade para intervenções de suplementação de vitamina D3. Os profissionais de saúde devem estar mais cientes no que diz respeito a quais pacientes podem ser suscetíveis à deficiência de vitamina D e podem monitorar aqueles que estão recebendo suplementos para orientar a dosagem adequada e evitar efeitos adversos.

Há muitas oportunidades de inovação para a suplementação de vitamina D3 para melhorar os efeitos dos medicamentos, melhorar os resultados do tratamento e atender às necessidades do mercado em evolução. Com mais de 70 anos de experiência na produção e garantia do fornecimento de ingredientes farmacêuticos ativos, a DSM se tornou um parceiro confiável no desenvolvimento de terapias que mudam a vida das pessoas de forma segura e eficiente, hoje e amanhã. 

Seja nosso parceiro para crescer e vencer no mercado de vitamina D em rápida evolução.

Publicado

7 Abril 2021

Tags

  • Business
  • Article

Compartilhar

4 min. de leitura

Inscreva-se para receber nosso boletim informativo

Mantenha-se atualizado sobre as últimas ciências, eventos e tendências de mercado

Faça o download do nosso catálogo de Soluções Farmacêuticas

Referências

  1. Baeke, F., Takiishi, T., Korf, H., Gysemans, C. & Mathieu, C. Vitamin D: modulator of the immune system. Curr Opin Pharmacol 10, 482-496 (2010).
  2. Giustina, A. et al. Controversies in Vitamin D: A Statement From the Third International Conference. JBMR Plus 4, e10417 (2020).
  3. Illescas-Montes, R., Melguizo-Rodríguez, L., Ruiz, C. & Costela-Ruiz, V. J. Vitamin D and autoimmune diseases. Life Sci 233, 116744 (2019).
  4. Gonçalves de Carvalho, C. M. & Ribeiro, S. M. Aging, low-grade systemic inflammation and vitamin D: a mini-review. Eur J Clin Nutr 71, 434-440 (2017).
  5. CDC/NCHS National Ambulatory Medical Care Survey, 2012.
  6. Michalska-Kasiczak, M. et al. Analysis of vitamin D levels in patients with and without statin-associated myalgia - a systematic review and meta-analysis of 7 studies with 2420 patients. Int J Cardiol 178, 111-116 (2015).
  7. Wang, L. X. et al. Effects of vitamin D combined with pioglitazone hydrochloride on bone mineral density and bone metabolism in Type 2 diabetic nephropathy. Biosci Rep 37 (2017).
  8. Gorgas, M. Q. et al. Effects of selective serotonin reuptake inhibitors and other antidepressant drugs on the risk of hip fracture: a case-control study in an elderly Mediterranean population. Eur J Hosp Pharm 28, 28-32 (2021).
  9. Chen, L.-R., Wen, Y.-T., Kuo, C.-L. & Chen, K.-H. Calcium and Vitamin D Supplementation on Bone Health: Current Evidence and Recommendations. International Journal of Gerontology 8, 183-188 (2014).
  10. Buckley, L. et al. 2017 American College of Rheumatology Guideline for the Prevention and Treatment of Glucocorticoid-Induced Osteoporosis. Arthritis Care Res (Hoboken) 69, 1095-1110 (2017).
  11. Sutherland, E. R., Goleva, E., Jackson, L. P., Stevens, A. D. & Leung, D. Y. Vitamin D levels, lung function, and steroid response in adult asthma. Am J Respir Crit Care Med 181, 699-704 (2010).
  12. Bouillon, R. Comparative analysis of nutritional guidelines for vitamin D. Nat Rev Endocrinol 13, 466-479 (2017).
  13. Holick, M. F. et al. Evaluation, treatment, and prevention of vitamin D deficiency: an Endocrine Society clinical practice guideline. J Clin Endocrinol Metab 96, 1911-1930 (2011).
  14. Charoenngam, N. & Holick, M. F. Immunologic Effects of Vitamin D on Human Health and Disease. Nutrients 12 (2020).

Este site usa cookies. Usamos cookies para personalizar conteúdos e anúncios, fornecer recursos de mídia social e analisar nosso tráfego. Também compartilhamos informações sobre o seu uso do nosso site com nossos parceiros de mídia social, publicidade e análise, que podem combiná-las com outras informações que você forneceu a eles ou que eles coletaram a partir do uso dos seus serviços. Você concorda com nossos cookies se continuar a usar nosso site.

Leia mais