Novo whitepaper (relatório técnico) destaca os benefícios dos lipídios na nutrição médica

Por: Editores de Talking Nutrition

Pesquisa em nutrição médica

  • A expectativa de vida está aumentando em escala global e a predominância de doenças não transmissíveis relacionadas à idade e ao estilo de vida (DND) está em crescimento. Para enfrentar e gerir as carências nutricionais e os desafios fisiológicos associados a doenças não transmissíveis, existe uma necessidade crescente de soluções específicas em matéria de nutrição médica.
  • A ciência emergente indica que a intervenção do ácido docosa-hexaenoico ômega-3 (DHA) e do ácido eicosapentaenoico (EPA) pode apoiar a gestão de necessidades médicas específicas.
  • O mais novo whitepaper da DSM explora as mais recentes descobertas da ciência sobre o DHA ômega-3 e o EPA nas áreas terapêuticas, incluindo oncologia, cuidados perioperatórios e saúde cerebral, bem como os efeitos desses nutrientes na população idosa.

Crescente relevância do ômega-3 DHA e do EPA na nutrição médica

O ômega-3 DHA e o EPA são conhecidos por desempenharem um papel vital na saúde humana e no bem-estar em geral. São dos nutrientes mais estudados no mundo, com mais de 36 mil trabalhos científicos, incluindo mais de 4 mil ensaios clínicos em humanos, dedicados às suas pesquisas1. O ômega-3 DHA e o EPA, em particular, são essenciais para manter a saúde geral ao longo da vida. Entretanto, as crescentes evidências científicas demonstram agora que o DHA e o EPA podem beneficiar pacientes em ambientes clínicos específicos, indicando que os ômega-3 podem ter um papel significativo em soluções de nutrição médica. A DSM aborda as últimas descobertas em seu novo whitepaper, "Lípidos nutricionais em soluções de nutrição médica".

Quatro áreas terapêuticas em que a intervenção de DHA e EPA são mais promissoras

O apoio nutricional é particularmente crítico para pacientes e adultos idosos, pois são mais vulneráveis ao risco de infecções e doenças. Novas pesquisas mostram que o DHA ômega-3 e o EPA podem ser importantes no gerenciamento de diferentes necessidades nutricionais de grupos específicos de pacientes, ajudando a reduzir complicações médicas, melhorando os resultados dos pacientes, melhorando a qualidade de vida e reduzindo custos de saúde em todo o mundo. Aqui, apresentamos as áreas terapêuticas em que a intervenção do ômega-3 é mais promissora:

1. Caquexia associada ao câncer

Embora os recentes avanços nas pesquisas sobre câncer tenham melhorado muito os resultados para os pacientes, a presença frequente de desnutrição em pacientes com câncer e a perda de peso e músculos indesejáveis - também conhecida como caquexia cancerígena - pode limitar a resposta do paciente ao tratamento.2

Estudos mostram que as propriedades anti-inflamatórias do DHA e do EPA podem ter um papel importante a desempenhar na caquexia do câncer. 3,4,5 Embora os resultados tenham variado, em alguns ambientes clínicos, o DHA e o EPA demonstraram melhora na resposta imunológica de alguns pacientes, ajudando a combater infecções, melhorar a eficácia das terapias do câncer e prevenir a progressão da caquexia.6 A intervenção do Ômega-3 é, portanto, promissora para os pacientes com câncer porque poderia promover melhores resultados de tratamento e qualidade de vida.

2. Pré e pós-cirurgia

A desnutrição é um fator de risco sério para complicações cirúrgicas, uma vez que pacientes subnutridos têm mais probabilidade de ter a internação hospitalar prolongada, maior risco de infecção e maiores taxas de mortalidade.7,8,9 Também conhecida como imuno nutrição, a suplementação com DHA e EPA antes e depois da cirurgia pode ajudar a reduzir a inflamação e o risco de infecção quando fornecida em conjunto com arginina e nucleotídeos, bem como várias vitaminas e oligoelementos minerais.10,11,12,13 Em última análise, isso ajuda a melhorar a cicatrização de feridas, encurtar os tempos de recuperação e reduzir o tempo de internação hospitalar.

3. Sarcopenia

Alcançar a ingestão adequada de nutrientes essenciais torna-se ainda mais difícil à medida que envelhecemos devido à mudança dos níveis hormonais, ao metabolismo mais lento e à diminuição dos níveis de atividade, levando à redução das necessidades energéticas e à fragilidade nutricional.14 Além disso, a "anorexia do envelhecimento" – que é definida pela diminuição do apetite e/ou ingestão de alimentos à medida que envelhecemos – é um importante fator que contribui para a desnutrição e resultados negativos para a saúde dos indivíduos mais velhos.

A subnutrição nessa população pode levar à sarcopenia, uma perda degenerativa da massa muscular esquelética relacionada à idade, qualidade e função. Muitas vezes essa condição terá impacto na qualidade de vida de uma pessoa e também aumentará o risco de mortalidade, enfatizando a necessidade de soluções nutricionais médicas que visem prevenir ou tratar a sarcopenia.15,16 Pesquisas recentes sugerem que os efeitos anti-inflamatórios do DHA e do EPA, em combinação com proteína de alta qualidade e exercício, podem ser benéficos para mitigar a perda de força muscular e desempenho físico associados ao envelhecimento.17 Por exemplo, estudos mostram que os ômega-3 podem ajudar ao visar a inflamação de baixo grau relacionada à idade que contribui para o desenvolvimento da sarcopenia. DHA e EPA também podem modular a proteína muscular e o metabolismo energético, promovendo força muscular e função.18

4. Saúde cognitiva

Apoiar a saúde cognitiva e a manutenção do bem-estar mental são alguns dos maiores desafios de saúde que a população idosa enfrenta. E, com o número de pessoas vivendo com demência previsto para atingir 152 milhões até 2050, o desenvolvimento de soluções inovadoras de nutrição médica que oferecerão cuidados preventivos é fundamental.19,20,21 Com base em estudos observacionais, há uma clara ligação entre os níveis de DHA e a saúde cerebral. Além disso, os ômega-3 estão associados à diminuição da inflamação cerebral e do suporte cerebral, sugerindo a importância de incluir DHA e EPA em soluções de nutrição médica que apoiem a saúde cerebral.22

Soluções nutricionais direcionadas para atender as necessidades de saúde

É evidente que o ômega-3 DHA e o EPA podem ajudar a melhorar a qualidade de vida e os resultados clínicos dos grupos específicos de pacientes descritos neste artigo. Pesquisas recentes também indicam um papel promissor para intervenção de DHA e EPA em outros ambientes clínicos, inclusive em pacientes com diabetes ou doença renal crônica. 23,24 Cada condição e paciente individual apresentam necessidades nutricionais e clínicas diferentes e complexas. E o desenvolvimento de soluções médicas de nutrição personalizadas que possam ser direcionadas a doenças específicas são atraentes. O trabalho contínuo em nível individual é fundamental para o futuro, o tratamento mais personalizado dos pacientes. A DSM está em busca de de avanços científicos profundos e insights dos pacientes necessários para ajudar a melhorar nossa compreensão da desnutrição em estados específicos da doença e o impacto de ingredientes específicos, como DHA ômega-3 e EPA, nos resultados dos pacientes..

Publicado

19 Fevereiro 2020

Tags

  • Nutrição médica
  • Saúde e nutrição
  • Artigo
  • Gerência sênior
  • P&D

Compartilhar

4 minutos de leitura (mínimo)

Conteúdo relacionado

Cadastre-se para receber nossos boletins informativos

Mantenha-se atualizado sobre ciência, eventos e tendências de mercado mais recentes

Somos sociais

Siga-nos em suas redes sociais favoritas

Referências

[1] GOED, 'About EPA and DHA' [website], https://goedomega3.com/about-epa-and-dha, accessed 11 December 2019.

[2] T. Aoyagi et al., ‘Cancer cachexia, mechanism and treatment’, World J Gastrointest Oncol., vol. 7, no. 4, pg. 17-29, 2015.

[3] R. Freitas et al., ‘Protective effects of omega-3 fatty acids in cancer-related complications’, Nutrients, vol. 11, no. 5, pg. 945, 2019.

[4] M. D. Barber et al., ‘Fish oil-enriched nutritional supplement attenuates progression of the acute-phase response in weight-losing patients with advanced pancreatic cancer’, J Nutr., vol. 21, pg. 1120-1125, 1999.

[5] P. Bougnoux et al., ‘Improving outcome of chemotherapy of metastatic breast cancer by docosahexanoic acid: a phase II trial’, Br J Cancer, vol. 101, no. 12, pg. 1978-1985, 2009.

[6] E. Bruera et al., ‘Effect of fish oil on appetite and other symptoms in patients with advanced cancer and anorexia/cachexia: a double-blind, placebo-controlled study’, J Clin Oncol., vol. 21, pg. 129-134, 2003.

[7] J. D. Williams et al., ‘Assessment of perioperative nutrition practices and attitudes – a national survey of colorectal and GI surgical oncology programs’, American Journal of Surgery, vol. 213, no. 6, pg. 1010-1018, 2016.

[8] S. Awad et al., ‘What’s new in perioperative nutritional support? Current opinion in anesthesiology’, Curr. Opin. Anaesthesiol, vol. 24, no. 3, pg. 339-348, 2011.

[9] T. Philipson et al., ‘Impact of oral nutritional supplementation on hospital outcomes’, American Journal of Managed Care, vol. 19, pg. 121-128, 2013.

[10] A. Weimann et al., ‘ESPEN guideline: clinical nutrition in surgery’, Clinical Nutrition, vol. 36, pg. 623-650, 2017.

[11] S. Bisch et al., ‘Impact of nutrition on enhanced recovery after surgery (ERAS) in gynecologic oncology’, Nutrients, vol. 11, no. 5, 2019.

[12] N. Johnson, ‘Enhanced recovery after surgery: the role of nutrition’, BSNA, no. 130, pg. 19-22, 2018.

[13] J. Xu et al., ‘Immunonutrition in surgical patients’, Curr Drug Targets, vol. 10, no. 8, pg. 771-777, 2009.

[14] D. Remond et al., ‘Understanding the gastrointestinal tract of the elderly to develop dietary solutions that prevent malnutrition’, Oncotarget, vol. 6, no. 16, pg. 13,858-98, 2015. J. Friedman et al., ‘Implications of sarcopenia in major surgery’, Nutr Clin Pract., vol. 30, no. 2, pg. 175-179, 2015. 

[15] S. L. Bokshan et al., ‘Sarcopenia in orthopedic surgery’, Orthopedics, vol. 39, no. 2, pg. 295-300, 2016.

[16] J. Wang et al., 'Inflammation and age-associated skeletal muscle deterioration (sarcopenia)', Journal of Orthopaedic Translation, vol. 10, pg. 94-101, 2017.

[17] J. Dupont et al., ‘The role of omega-3 in the prevention and treatment of sarcopenia’, Aging Clin Exp Res., vol. 31, no. 6, pg. 825-836, 2019.

[18] WHO, Dementia factsheet, https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/dementia, accessed 19 September 2019.

[19] S. Canhada et al., ‘Omega-3 fatty acids’ supplementation in Alzheimer’s disease: a systematic review’, Nutr. Neurosci., vol. 21, no. 8, pg. 529-538, 2018.

[20] Y. Zhang et al., ‘Intakes of fish and polyunsaturated fatty acids and mild-to-severe cognitive impairment risks: a dose-response meta-analysis of 21 cohort studies’, Am J Clin Nutr., vol. 103, no. 2, pg. 330-340, 2016.

[21] C. Janssen et al., ‘Long-chain polyunsaturated fatty acids (LCPUFA) from genesis to senescence: the influence of LCPUFA on neural development, aging and neurodegeneration’, Prog. Lipid Res., vol. 53, pg. 1-17, 2014.

[22] J. Hu et al., ‘Omega-3 fatty acid supplementation as an adjunctive therapy in the treatment of chronic kidney disease: a meta-analysis’, Clinics (Sao Paulo), vol. 72, no. 1, pg. 58-64, 2017.

[23] J. Bosch et al., ‘ORIGIN Trial Investigators: n-3 fatty acids and cardiovascular outcomes in patients with dysglycemia’, N Engl J Med., vol. 367 pg. 309-18, 2012.

Saiba como a DSM pode ajudar a sua empresa.

Clique no botão abaixo para entrar em contato e conversar com a gente.

Links rápidos

Alimentos especiais

Conheça enzimas para cozinhar, produzir cerveja, laticínios e mais.

Soluções de benefícios para a saúde

Soluções para suprir as necessidades de saúde e estilo de vida dos consumidores.

Academia de Nutrição

Conheça nossos artigos técnicos, seminários via web e outros recursos educacionais

Quality For Life

Quality for Life é nosso selo de excelência e nossa promessa para você.

Talking Nutrition

Explore nova ciência, consumer insights, eventos do setor e muito mais.

Webshop

Solicitar amostras, fazer pedidos e visualizar a documentação dos produtos.