Como aumentar o número de ovos vendáveis

Uma vez foi feita uma predição de alcançar 500 ovos vendáveis por poedeira, em 100 semanas, e se tornou realidade para o avicultor holandês, Simon van Loon. Isto foi obtido com bom manejo, não iniciando a produção cedo demais e usando uma poedeira dócil para prevenir bicadas. O consumo seletivo também foi prevenido ao assegurar que o sistema de ração estava vazio pelo menos uma hora por dia. Ainda hoje, a melhor maneira de aumentar o número de ovos produzidos é aumentar a duração do ciclo de postura. Ciclos mais longos podem ajudar a reduzir os custos e aumentar a produção de ovos, sem a necessidade de um período de muda.

Ciclos mais longos, entretanto, podem produzir efeitos colaterais negativos, como uma redução da taxa de postura e absorção de cálcio, fraturas ósseas, cor mais variável da casca vermelha, ovos maiores com menor porcentagem de casca e uma redução na qualidade da casca. A absorção de cálcio diminui com a idade, a menor captação intestinal e o aumento do tamanho dos ovos podem resultar em uma queda na qualidade da casca dos ovos.

O status da vitamina D também é diminuído com a idade, o que pode levar a uma diminuição na resistência da casca dos ovos, resultando em um aumento de cascas trincadas e moles. Outros efeitos colaterais dos ciclos longos incluem bicadas de penas e canibalismo, aumento da mortalidade e lotes com sobre peso e grande deposição de gordura abdominal.

Para assegurar melhor qualidade da casca, há três áreas principais a serem focadas – ossos, fígado e intestino.

Ossos

A estrutura óssea da galinha muda com o tempo, a partir do primeiro ovo, tanto o osso trabecular como o cortical são reabsorvidos, aumentando o risco de osteoporose e fraturas. A formação do osso cortical é crítica no período de recria, especialmente nas seis primeiras semanas, mas os ossos continuam a calcificar durante todo o período de recria. O osso medular contribui com 35-40% do cálcio para a formação da casca do ovo. É importante alcançar o consumo de ração correto no início da produção, porque se isto não ocorrer pode haver um impacto adverso sobre a qualidade da casca e integridade do esqueleto durante toda a vida do lote. Também é importante incentivar a ingestão de água e estimular o aumento do consumo de ração.

Fígado

A síndrome do fígado graxo é observada com frequência em poedeiras e matrizes. Isto ocorre quando uma quantidade excessiva de gordura se acumula nas células hepáticas, fazendo com que percam sua funcionalidade. O fígado fica com uma consistência amolecida e com tendência a hemorragia. Isto significa que a ave não é capaz de exportar lipoproteína para a gema e reduz a capacidade do fígado de promover a hidroxilação da vitamina D3 da dieta formando 25-OH-D3, a forma ativa da vitamina D. Isto pode levar a uma redução no consumo de ração e na produção de ovos, bem como um aumento da mobilização óssea que leva a danos esqueléticos. Durante um ciclo mais longo é importante manter o fígado saudável. Isto pode ser conseguido usando nutrientes e vitaminas, como colina, betaína, vitamina E e B12, selênio e Hy-D® (25-OH-D3), e também fornecendo uma quantidade mínima de lipídios de alta qualidade como fonte de energia. Controlar a ingestão de energia evita que as aves fiquem gordas e também ajuda a prevenir o fígado graxo, bem como cascas frágeis e danos ao esqueleto.

Intestino

Um intestino saudável resulta em uma microflora equilibrada, o que pode ser conseguido de diferentes formas. A fibra da dieta pode ajudar a desenvolver a moela e promove o desenvolvimento do trato digestivo. A moela também pode ser desenvolvida com o uso de cálcio grosseiro e silicato (grit) insolúvel. Eubióticos ajudam a equilibrar a flora intestinal e as enzimas da ração desempenham um papel ao reduzir a viscosidade e promover uma melhor digestibilidade e ovos limpos. O uso de fibra na ração também pode reduzir a mortalidade; as fibras muito insolúveis podem reduzir a bicada de penas e a mortalidade associada, tanto na recria como na postura. Também podem aumentar a sensação de saciedade, que pode retardar os danos às penas e aumentar o tempo em que estão comendo. Normalmente, a flora intestinal produz ácidos graxos de cadeia curta, como butirato. Isto permite um melhor crescimento das vilosidades, crescimento e metabolismo epitelial. Também podem auxiliar a função hepática e melhorar a qualidade da casca em galinhas velhas.

Está bem estabelecido que cuidar bem do esqueleto e intestino e função hepática da ave, dando a devida atenção aos micronutrientes, irá ajudar a assegurar um ciclo de postura longo, produtivo. Isto levará a uma produção de ovos mais sustentável e a criação de maior valor para o produtor.

Recomendações

O desenvolvimento da franga é crucial para conseguir uma poedeira produtiva. A construção de osso estrutural e de osso medular no período pré-postura é elemento chave para um ciclo de postura mais longo, juntamente com a manutenção da saúde intestinal e função hepática durante toda a vida a ave. Isto é conseguido fornecendo os níveis adequados de micronutrição durante o desenvolvimento da ave e o período produtivo de postura. Deve-se enfocar os níveis adequados de fósforo, cálcio e vitamina D3 (especialmente 25-hidroxi-D3 que é a forma ativa, mais biodisponível da vitamina D3).

Publicado

22 August 2018

Compartilhar

Compartilhar

You are being redirected.

We detected that you are visitng this page from United States. Therefore we are redirecting you to the localized version.