Novas diretrizes de especialistas da ESPEN Expert: Diretrizes práticas para o gerenciamento nutricional em pacientes com Covid-19

Por: Justin A. Bakhshai

  • As permanências na UTI, particularmente as de duração mais longa, são fatores de risco bem documentados para subnutrição, muitas vezes caracterizados pela perda de massa muscular esquelética e função que pode levar a baixa qualidade de vida, incapacidade e outros efeitos clínicos derivados muito tempo após a alta da UTI.
  • Novas orientações foram divulgadas pela European Society for Clinical Nutrition and Metabolism (ESPEN), fornecendo etapas práticas para a preservação do estado nutricional em pacientes com Covid-19, principalmente em relação ao contexto de UTI ou na presença de idade mais avançada e polimorbidade.
  • A intervenção e a terapia nutricionais devem ser consideradas parte integrante da abordagem para tratar pacientes com Covid-19 em cenários de UTI e no setor de medicina interna.

Subnutrição: qual é o risco para pacientes com Covid-19?

A Covid-19 representa um risco de saúde global sem precedentes, tanto para pacientes quanto para sistemas de saúde. Dados emergentes sugerem que indivíduos com condições crônicas de saúde, como doença cardiovascular, diabetes mellitus e obesidade, têm maior probabilidade de ficarem criticamente doentes devido à Covid-19.1 Pacientes que se apresentam no hospital com múltiplas comorbidades também são mais suscetíveis à subnutrição, tornando sua prevenção ou tratamento especialmente importante em caso de infecção e/ou doença grave.2

Após a internação hospitalar, os pacientes devem ser imediatamente triados para subnutrição. A iniciativa de liderança global em subnutrição (Global Leadership Initiative on Malnutrition, GLIM) recentemente propôs uma abordagem de duas etapas para o diagnóstico da subnutrição2:

  1. Triagem para identificar o status de “em risco”, por meio do uso de ferramentas de triagem validadas, tais como MUST ou NRS-2002.
  2. Avaliação para diagnóstico e classificação da gravidade da subnutrição.

O tratamento nutricional deve ser aplicado durante a hospitalização por meio de planos nutricionais individualizados; isso é particularmente importante, dado que os fatores de risco nutricionais pré-existentes continuam a ser aplicados e a doença aguda e a hospitalização provavelmente piorarão o risco ou condição de subnutrição. Recomenda-se uma avaliação adequada da ingestão de nutrientes com o tratamento com suplementos nutricionais orais ou com nutrição enteral se a via oral for insuficiente.2

A maioria dos participantes hospitalizados devido à Covid-19 grave recebe ventilação mecânica (geralmente prolongada), representando um fator de risco crítico para maior morbidade e mortalidade nessa coorte de participantes. Internações em UTI, ventilação mecânica, polimorbidade e idade avançada são todas comumente associadas a um alto risco de subnutrição, com prolongamento da permanência em UTI, muitas vezes resultando em perda grave de massa e função muscular esquelética, o que pode levar à incapacidade, baixa qualidade de vida e morbidade adicional. Prevenção, diagnóstico e tratamento da subnutrição, incluindo nutrição parenteral, são, portanto, componentes críticos do tratamento da Covid-19 no contexto da UTI.2

Atender às necessidades dos pacientes com diretrizes científicas

Considerando a importância da prevenção, diagnóstico e tratamento da subnutrição, a ESPEN recentemente publicou orientações sobre o controle nutricional de pacientes com Covid-19. Esse documento descreve habilmente dez recomendações práticas para o controle da nutrição no contexto da Covid-19.2

As recomendações são resumidas, como segue:

  1. Devem ser verificados os pacientes em risco de resultados ruins e maior mortalidade após infecção por SARS-CoV-2, ou seja, adultos mais velhos e indivíduos com polimorbidade, para verificar a presença de subnutrição por meio de triagem e avaliação.
  2. Participantes com subnutrição devem tentar otimizar seu estado nutricional, idealmente por aconselhamento dietético de profissionais especializados (nutricionistas registrados, cientistas nutricionais experientes, nutricionistas clínicos e médicos especializados).
  3. Sujeitos com subnutrição devem garantir suplementação suficiente com vitaminas e minerais.
  4. Pacientes em quarentena devem continuar a atividade física regular enquanto tomam precauções.
  5. Suplementos nutricionais orais devem ser usados sempre que possível para atender às necessidades do paciente quando o aconselhamento alimentar e a fortificação alimentar não forem suficientes para aumentar a ingestão alimentar e atingir as metas nutricionais.
  6. Em pacientes internados com polimorbidades e em pessoas idosas com prognóstico razoável, cujas necessidades nutricionais não podem ser atendidas por via oral, deve-se administrar nutrição enteral (NE). Deve-se considerar a nutrição parenteral (NP) quando a NE não for indicada ou não puder atingir as metas.
  7. Em pacientes de UTI com Covid-19 não intubados que não atingirem a meta de energia com uma dieta oral, suplementos nutricionais orais devem ser considerados primeiro e, depois, o tratamento nutricional enteral. Se houver limitações para a via enteral, pode ser aconselhável receitar nutrição parenteral periférica na população que não atinge o alvo de proteína energética por nutrição oral ou enteral.
  8. Em pacientes com Covid-19 intubados e ventilados na UTI, a nutrição enteral deve ser iniciada por meio de uma sonda nasogástrica. A alimentação pós-pilórica deve ser realizada em pacientes com intolerância gástrica após tratamento procinético ou em pacientes com alto risco de aspiração.
  9. Em pacientes na UTI que não toleram a nutrição enteral em dose completa durante a primeira semana na UTI, o início da nutrição parenteral deve ser ponderado caso a caso.
  10. Em pacientes na UTI com disfagia, alimentos adaptados à textura podem ser considerados após a extubação.

As novas diretrizes da ESPEN reforçam a importância crítica da intervenção nutricional para pacientes criticamente doentes e apresentam uma oportunidade viável para personalizar soluções de nutrição médica, incluindo nutrição parenteral.

Melhorar a qualidade de vida dos pacientes

Na DSM, nosso compromisso com a qualidade se estende amplamente e é representado por nossa abordagem centrada no paciente para a inovação. As equipes da DSM são altamente conscientes e sensíveis ao fato de que os produtos que produzimos alcançam os grupos populacionais mais clinicamente vulneráveis (ou seja, pacientes com condições graves e múltiplas comorbidades, de bebês a idosos).

A experiência das partes interessadas está no centro da nossa abordagem de negócios; trabalhar com o paciente em mente é como guiamos internamente nossas formas de trabalhar em todas as funções de negócios, desde a qualidade, e a regulamentação até a produção e a inovação. E, como parceiro orientado por um propósito, a DSM apoia ativamente pesquisas relacionadas à Covid-19.

Para uma introdução no mercado bem-sucedida, a compreensão e a aceitação da comunidade médica são fundamentais. Apoiamos aqueles que aspiram fazer a diferença na comunidade médica com profundas percepções de pacientes e consumidores para descobrir oportunidades de desenvolver soluções de nutrição parenteral.

Descubra como, juntos, podemos aumentar o perfil de terapias vitais que apoiam aqueles que mais precisam. Entre em contato conosco hoje.

Publicado

31 Julho 2020

Tags

  • Science
  • Vitamins
  • Article
  • R&D
  • Scientific

Compartilhar

8 min. de leitura

Inscreva-se para receber nosso boletim informativo

Mantenha-se atualizado sobre as últimas ciências, eventos e tendências de mercado

Faça o download do nosso catálogo de Soluções Farmacêuticas

Referências

[1] National Center for Health Statistics, & Centers for Disease Control and Prevention. Evidence used to update the list of underlying medical conditions that increase a person’s risk of severe illness from Covid-19. Recuperado: https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/need-extra-precautions/evidence-table.html.

[2] Barazzoni R, et al. ESPEN expert statements and practical guidance for nutritional management of individuals with SARS-CoV-2 infection. Clinical Nutrition. https://doi.org/10.1016/j.clnu.2020.03.022.

Links rápidos

Loja virtual

Solicite amostras, faça pedidos e visualize a documentação do produto

Catálogo

Baixe a cópia mais recente do nosso catálogo de soluções

Entre em contato conosco

Somos mais do que uma parceria. Somos uma vantagem competitiva.

Relatórios técnicos

O que há de mais recente em pesquisa sobre vitaminas e lipídios e desenvolvimentos da indústria

Webinars

Estudos acadêmicos e a ciência mais recente em módulos educacionais

Vídeos

Vídeos explorando o crescente papel dos APIs de vitaminas 

Este site usa cookies. Usamos cookies para personalizar conteúdos e anúncios, fornecer recursos de mídia social e analisar nosso tráfego. Também compartilhamos informações sobre o seu uso do nosso site com nossos parceiros de mídia social, publicidade e análise, que podem combiná-las com outras informações que você forneceu a eles ou que eles coletaram a partir do uso dos seus serviços. Você concorda com nossos cookies se continuar a usar nosso site.

Leia mais