Apoiando a saúde humana: Riboflavina como um novo candidato a prebiótico

Por: Produtos nutricionais da DSM

Está se tornando cada vez mais evidente que a microbiota intestinal tem um papel crítico na manutenção da saúde humana. Isso levou a estudos que indicam o potencial de novas substâncias prebióticas, como polifenóis, minerais e vitaminas - incluindo a riboflavina, em especial - em aplicações terapêuticas.

Como está cada vez mais evidente que a microbiota intestinal tem um papel crítico na manutenção da saúde humana, tem havido mais ênfase na importância da dieta. Isso levou a estudos sobre o potencial de novos ingredientes alimentares prebióticos, tais como polifenóis, minerais e vitaminas - incluindo a riboflavina, em especial.

Prebióticos: uma longa história  

A associação entre a microbiota intestinal e a saúde humana foi proposta pela primeira vez há mais de 100 anos. Desde então, extensos estudos sobre a importância da dieta na modulação da composição da microbiota intestinal têm sido conduzidos. Introduzido pela primeira vez em 1995, o conceito de prebiótico é definido como “um ingrediente alimentar não digerível que afeta beneficamente o hospedeiro ao estimular seletivamente o crescimento e/ou atividade de uma ou de um número limitado de bactérias no cólon e, assim, melhorar a saúde do hospedeiro”.

Há, no entanto, um debate em curso sobre quais ingredientes alimentícios se qualificam como prebióticos "verdadeiros", uma vez que apenas um pequeno número de carboidratos não digeríveis atende aos critérios. Além disso, as pesquisas sobre alimentos prebióticos têm sido limitadas nos últimos anos, após a decisão dos órgãos reguladores europeus de não permitir o aparecimento da palavra “prebiótico” em produtos alimentares, pois sua definição contém um argumento inerente à saúde.  

Apresentando a riboflavina  

Além de carboidratos não digeríveis , várias estruturas não carboidratos, como polifenóis, minerais ou vitaminas, também têm um efeito benéfico sobre a modulação da microbiota intestinal. As pesquisas têm focado na riboflavina (vitamina B2) em especial, pois é uma vitamina solúvel em água que é prontamente absorvida no intestino delgado. A riboflavina pode ser obtida por meio de uma dieta saudável, com uma dose diária recomendada de 1,3 mg. No entanto, há dúvidas de que a riboflavina na dieta nessa concentração possa alcançar o cólon. A absorção ocorre principalmente no intestino delgado proximal, por meio de um processo de transporte ativo, mediado por transportador e saturável que é relatado como sendo linear até aproximadamente 30 mg de riboflavina em uma refeição. Portanto, pode-se supor que a riboflavina chegará mais provavelmente ao cólon quando for ingerida em doses mais altas.

Um estudo foi realizado recentemente para determinar se uma alta concentração de riboflavina pode limitar o crescimento de Faecalibacterium prausnitzii, uma das bactérias mais abundantes e importantes na microbiota intestinal. Um pequeno grupo de voluntários adultos foi suplementado com 100 mg de riboflavina por 14 dias. Os resultados mostraram que o número de F. prausnitzii por grama de fezes aumentou durante a suplementação, enquanto o número caiu novamente após um período de eliminação de uma semana. Também foi demonstrado haver um aumento em outro grupo de anaeróbios e uma redução de E. coli - indicativos de melhora das condições anaeróbicas e do estado redox no intestino.

Embora a riboflavina não forneça um substrato direto para a fermentação microbiana, os achados demonstram que ela pode modular beneficamente a composição da microbiota intestinal ao ser metabolizada e alterar o estado redox gastrointestinal. Essa pesquisa está liderando o caminho para um aumento do papel da intervenção nutricional no apoio à saúde humana - especialmente graças aos efeitos anti-inflamatórios da F. prausnitzii. Como a doença do intestino irritável (DII) e a doença de Crohn são caracterizadas por baixos níveis de F. prausnitzii, esses estudos sugerem que a riboflavina poderia ser usada como um agente terapêutico ou de apoio em seu tratamento. 

Para obter mais informações sobre o uso de micronutrientes em doses mais elevadas para além dos efeitos na saúde atualmente reconhecidos, leia nosso relatório técnico “Micronutrientes para aplicações farmacêuticas”. 

Publicado

21 Agosto 2017

Tags

  • Science
  • Article
  • Vitamin B2
  • R&D

Compartilhar

4 min. de leitura

Inscreva-se para receber nosso boletim informativo

Mantenha-se atualizado sobre as últimas ciências, eventos e tendências de mercado

Faça o download do nosso catálogo de Soluções Farmacêuticas

Links rápidos

Loja virtual

Solicite amostras, faça pedidos e visualize a documentação do produto

Catálogo

Baixe a cópia mais recente do nosso catálogo de soluções

Entre em contato conosco

Somos mais do que uma parceria. Somos uma vantagem competitiva.

Relatórios técnicos

O que há de mais recente em pesquisa sobre vitaminas e lipídios e desenvolvimentos da indústria

Webinars

Estudos acadêmicos e a ciência mais recente em módulos educacionais

Vídeos

Vídeos explorando o crescente papel dos APIs de vitaminas 

Este site usa cookies. Usamos cookies para personalizar conteúdos e anúncios, fornecer recursos de mídia social e analisar nosso tráfego. Também compartilhamos informações sobre o seu uso do nosso site com nossos parceiros de mídia social, publicidade e análise, que podem combiná-las com outras informações que você forneceu a eles ou que eles coletaram a partir do uso dos seus serviços. Você concorda com nossos cookies se continuar a usar nosso site.

Leia mais